Uma experiência democrática…

Democracia é uma palavra muito repetida. Ouvimos em nossa casa, na escola, na rua, na televisão… Ouvimos pessoas que a defendem; outras, já cansadas das coisas erradas que acontecem no nosso país, que dizem por aí ser melhor que ela acabe. E você? Já parou para pensar nisso? Sabe o que significa viver numa democracia? E se ela de fato deixasse de existir?

 

Um grupo de alunos da Escola Gente Feliz viveu uma aventura e tanto e acabou aprendendo um monte sobre isso. Tudo começou assim…

Jovens brigando

A Escola Gente Feliz estava vivendo um momento de verdadeiro caos. Professores e diretores não conseguiam se entender, alunos brigavam o tempo todo e nunca chegavam a um acordo. Cada um pensava de um jeito e queria que a sua vontade fosse mais importante do que a dos outros.
Direitor brigando com professor

Esse problemão tinha começado depois da chegada do novo diretor. Ele agia de modo estranho. Não ouvia o que os professores tinham a dizer, gostava de impor as suas decisões e, toda vez que alguém reclamava, ele ameaçava mandar embora da escola.
Professora Josefa pensando

Os professores já não sabiam mais o que fazer e estavam muito desanimados. Os alunos, vendo aquela situação toda, acharam que podiam fazer o mesmo. Eles também não queriam mais seguir os combinados, desrespeitavam os colegas e não faziam o que os professores pediam. Resultado: virou uma confusão danada. O clima na escola estava tão complicado que era melhor sair de lá e ver se a aula funcionava.
Professora Josefa comandando uma votação

Foi pensando assim que a professora Josefa resolveu levar a sua turma para uma aula no zoológico. Não demorou e todos concordaram que o passeio seria uma atividade muito legal. A aceitação foi total. Ninguém, ninguém mesmo se opôs.

Várias crianças pensando

No dia do passeio estavam todos lá, esperando ansiosos pela chegada do transporte. Ainda no ônibus, a professora Josefa aproveitou para falar com os alunos sobre o que tinha acontecido. Ela tinha feito uma proposta, todos tinham tido a oportunidade de se manifestar e todos tinham concordado. Se sempre fosse assim, era fácil, não é mesmo?  Mas nem sempre as pessoas querem as mesmas coisas. E é aí que o conceito de democracia fica muito importante.

Professora Josefa fazendo uma votação com as crianças no ônibus

Afinal, quem não quer fazer a sua vontade vencer? Quem não conhece alguém que não pode ser contrariado? Ou é a vontade dele ou nada! Pois esses comportamentos não são nada democráticos. Numa democracia, o que vale é o desejo da maioria. Quem for voto vencido não pode chorar, espernear, fazer bico ou ficar de mal. Tem que aceitar o que foi escolhido pelo todo.
Mão formada por bonequinhos e pela bandeira do Brasil

Isso também acontece quando precisamos escolher nossos representantes. É assim que funciona numa eleição – um processo democrático de primeira. Os eleitores podem gostar do candidato que quiserem, mas quem vai governar é o preferido pela maior parte. Assim, quem não consegue emplacar seu candidato, não pode deixar de ser brasileiro ou parar de seguir as regras do País. O bom da democracia é que o escolhido tem prazo de validade, ou melhor, mandato. Depois de um tempo, a população tem chance de reavaliar sua escolha e indicar novas preferências. Tudo pode mudar, menos a soberania da opção da maioria!
Ônibus chegando ao zoológicoEpa! Mas vamos voltar à história dos alunos da Escola Gente Feliz…
Chegando ao zoo, a professora Josefa diz:
– Vamos conhecer melhor muitos animais!
– Depois faremos um lanchinho.
Uma menina fala para outra: – Só vou querer ver os macacos!
Um dos meninos diz: – Não! Eu quero ver os leões.
Outro diz: – E eu, as cobras!
Começa uma briga danada dentro do ônibus.

Professora Josefa nervosa

A profa. Josefa diz: – Chegaaaaaa!!!! De agora em diante, resolveremos as coisas democraticamente!!!! Levanta a mão quem quer ver todos os bichos! A maioria levanta e ela diz: – Veremos todos!!!!!

Recado da Turma do Plenarinho!

Légis falando sobre democracia (intervenção)

A chegada no zoológico

No passeio pelo zoológico, a turma da Escola Gente Feliz se depara com uma experiência mágica: animais, frutas e plantas começam a falar. E o recado que esse pessoal tem para dar é pra lá de importante. Maçãs, macacos leões, estudantes e professores vão viver situações que mostram a importância da democracia. Para quê serve o voto? De que forma as oligarquias prejudicam o bem comum? E será que é verdade aquela história de que nenhum político presta?
Agora, esta história é contada em tirinhas…

Tirinha número 1_1
Tirinha 1_2

Esta história continua. Parte 2parte 3parte 4parte 5parte 6parte 7.

As panelinhas não estão com nada

Tem coisa mais chata do que aquele grupinho de amigos que não deixa ninguém participar das brincadeiras legais? Essa panelinha só é boa para ela mesma. O resto do mundo fica de fora. Que chatice! Sabia que na política pode acontecer algo parecido? Quando isso acontece, e pessoas se unem para tratar de seus próprios interesses, sem permitir que os outros grupos participem das decisões, dizemos que existe uma oligarquia. E nessa situação, plenamigo, quem fica na pior é o povo. Pois mesmo com uma democracia, com eleições e voto, os interesses da população podem não ser atendidos. O mais difícil é que quando a oligarquia está no poder, ela faz de tudo para não sair. Mas como é possível mudar isso?

Tirinha

Tirinhas 2 - Oligarquia

Recado da Turma do Plenarinho

 oligarquia

Política não é problema seu. Será?

É ou não é verdade: os adultos vivem falando mal da política por aí, e fazem isso como se eles não tivessem nada a ver com o “problema”. Tem até algumas crianças que repetem esse discurso sem pensar direito. Mas criança é tudo gente esperta. Basta um pinguinho de dúvida aparecer para a meninada refletir.

Pois bem, aí vai o pinguinho de dúvida: quem escolhe os políticos? Ah, sim! Todos os eleitores. Então, plenamigo, as consequências das escolhas são de responsabilidade de todo mundo. Não adianta apontar o dedo e falar mal. É preciso deixar o comodismo de lado, colocar a mão na massa e fazer as mudanças acontecerem. Criança também pode participar da política. Ou você vai esperar até crescer para exercer seu direito?

 

Tirinha

 

 

tirinhas avestruzes

 

Recado da Turma do Plenarinho

 intervenção turma tirinha 3

Voto não é lixo para ser jogado fora

Nas histórias de super-heróis, os personagens sempre têm poderes secretos. Uns podem ficar invisíveis, outros são bem fortões, e há ainda aqueles que têm o corpo elástico ou saltam bem alto. Numa democracia, o povo também tem um superpoder e ele não é segredo nenhum. Do que estamos falando? Do voto, plenamigo! Se usado da forma correta, ele é capaz de fazer coisas incríveis, quase mágicas: construir escolas, reduzir a pobreza, preservar o meio ambiente. Isso que é poder!

Uma pena que tem muito cidadão que deixa o seu superpoder de lado, nem liga para o voto e o trata como qualquer coisa. São pessoas que acham que só devem votar em quem está ganhando ou que trocam o voto por qualquer coisa – até dentadura! Os efeitos dessa postura são um desastre. O País não anda, a violência assusta a população e o desemprego deixa famílias sem renda, só para falar de alguns exemplos.

Mesmo não sendo um eleitor, você – criança ou adolescente do Brasil – já pode e deve ir treinando o seu poder. No seu dia a dia, há escolhas a serem feitas. Pense bem antes de tomar uma posição ou indicar alguém para representá-lo. Fique esperto! Já, já chegará sua vez de usar seu poder pelo nosso país.

Tirinhas

tirinhas cobras e lagarta

  Recado da Turma

 

intervenção turma tirinha 4

Escolha bem seus representantes

Por vivermos numa democracia, de tempos em tempos, precisamos ir às urnas para escolher os candidatos que irão nos representar durante um período determinado. A nossa Constituição diz que o poder “emana” do povo, isto é, provém do povo: o povo elege quem vai exercer o poder em seu nome. O voto funciona como um legítimo carimbo de aprovação do povo. Quando vota em alguém, o eleitor está carimbando o seguinte: — Permito que você, meu candidato, se for eleito, exerça o poder no meu lugar durante todo o mandato.

Então, o eleitor tem a faca e o queijo na mão? Isso mesmo. Se o eleitor analisar bem as propostas e a história de cada candidato, se não vender seu voto e se acompanhar de perto o trabalho dos parlamentares eleitos, é bem provável que os políticos serão bons representantes do povo. Isso porque a qualidade dos representantes depende da qualidade do voto dos eleitores. Quem quer ser bem representado precisa usar bem seu carimbo (voto)!

Tirinha

 

Tirinha democracia 5 - diálogo maçãs

 

Recado da Turma do Plenarinho

 

Intervenção Plenarinho - tirinha 5

O político é um de nós

 

Excelência, vossa excelência, excelentíssimo senhor – Com tanta pompa no jeito de tratar deputados e senadores, tem gente que pode confundir as coisas e achar que os parlamentares valem mais do que o resto da população. O segredo é não confundir as coisas: eles representam a população, e essa é uma tarefa nobre e cheia de responsabilidade. Mas não é por causa disso que os deputados e senadores são os donos do pedaço. É importante lembrar que, além dos direitos, eles têm deveres a cumprir – honrar as promessas de campanha e cuidar com zelo do dinheiro público, por exemplo. Por isso, se algum dia você encontrar um parlamentar ou escrever uma carta para ele, trate-o com respeito e educação, como você trataria um professor, por exemplo. Não precisa exagerar na dose. Se do outro lado da história estiver um parlamentar que se acha melhor que as outras pessoas, não se preocupe! Lembre que a cada quatro anos tem eleição. Se o cidadão se sentir desrespeitado ou humilhado, tem o poder de não reeleger aquele político.

 

Tirinha

 

 

Tirinha pavão

Recado da Turma do Plenarinho

Intervenção tirinha 6

Decisões são inacessíveis

Tem cidadão que acha que sua responsabilidade sobre a política se resume a um único momento da democracia: a eleição. Mas será que é isso mesmo? Não, né?! Seria fácil demais para os eleitores e para os eleitos. De nada adianta escolher um representante e não acompanhar o trabalho dele e cobrar resultados.
O que pode acontecer se os cidadãos não ficarem de olho no trabalho dos políticos? As decisões tomadas podem não agradar depois ou podem simplesmente não ser o que foi prometido nas campanhas. Sem acompanhar a política, os eleitores não podem fazer uma avaliação na eleição seguinte; podem até reeleger alguém que não fez um bom trabalho! Isso sim é um problemão!
E não adianta dizer que é difícil acompanhar ou que as decisões são inacessíveis, ficam distantes da população. É preciso buscar e acompanhar as informações sobre a nossa política. Uma população sabida e consciente de suas responsabilidades é capaz de cobrar dos políticos em audiências públicas, por meio de abaixo assinados, manifestações e do voto – claro! Além disso, existem os projetos de iniciativa popular, em que o autor da proposta são os cidadãos!

Tirinhas

 

Tirinha democracia 7

Recado da Turma do Plenarinho

Intervenção tirinha 7

 

Uma experiência democrática – Grande final

 

O passeio chega ao fim, mas a democracia não!

Crianças entrando no ônibus

O dia de aventura no zoológico estava chegando ao fim. Além de ver animais superlegais, aquele passeio teve algo de especial. E não só por causa das maçãs e bichos falantes. Sem querer querendo, aquela turminha da Escola Gente Feliz aprendeu um monte de coisas sobre democracia.

 

Vamos recapitular?

 

Légis falando sobre democracia (intervenção)

intervenção turma tirinha 3

intervenção turma tirinha 4

Intervenção Plenarinho - tirinha 5

 

 

Intervenção tirinha 6

Intervenção tirinha 7

 

Crianças desanimadas no ônibus - tirinha final

Embora o passeio tenha sido pra lá de divertido, meio mágico e cheio de informações preciosas, uma questão ainda precisava ser enfrentada. Lembra que essa aventura começou com um problemão? Diretor, professores e alunos do colégio não se entendiam por nada. Ninguém podia dar opinião, todos estavam desanimados com as ameaças.

No caminho de volta para a escola, os alunos começaram a conversar sobre o assunto e a pensar em soluções para o problema.

– E se a gente expulsasse o diretor… – diz um aluno
– Acho que não tem como – responde outro
– Talvez, a solução seja uma votação – diz outro animado
– É mesmo! Mas ninguém leva criança tão a sério assim pra deixar a gente votar – pondera outro estudante
– Já sei! Precisamos falar com nossos pais! – conclui outro.

 

Crianças combinando o que fazer- tirinha final

 

 

Crianças conversando - tirinha final

Grande ideia! Na escola, na política, nos esportes e na família é isto: a união faz a força. Eles combinaram que todos falariam com os pais para que uma reunião fosse convocada. Os alunos da Gente Feliz descobriram também que não é preciso brigar, discutir para resolver as coisas. O caminho é a conversa!

Encontro do diretor com os pais - tirinha final
A tal reunião foi uma ótima oportunidade para colocar tudo em pratos limpos, como dizem por aí. Pais e professores explicaram o que não estava funcionando e, aos poucos, conseguiram mostrar ao diretor que era possível comandar as coisas de outro jeito, com a participação e ajuda de todos. Sensibilizado, ele concordou com a criação de algumas regrinhas básicas, como a realização de reuniões de tempos em tempos, entre pais e professores. Nascia, assim, o Estatuto da Escola Gente Feliz. Os pais também se comprometeram a acompanhar de perto a nova administração do antigo-novo diretor. Afinal, não basta apenas sugerir, votar, é preciso ficar de olho, certo?

A vida na escola parecia ter voltado ao normal. Os professores conseguiam dialogar com a diretoria. Os alunos podiam dar opiniões para os adultos. Os pais estavam acompanhando o dia a dia dos filhos. E já que estamos falando de vida normal… o recreio voltou a ser uma verdadeira festa.

Recado para não esquecer mais!

Intervenção tirinha final

 

 Tirinha

 

 

Tirinhas final

Esta história chega ao fim, mas não acaba nunca. Afinal, você já aprendeu que vive numa democracia. Sendo assim, seja em casa, na escola ou na rua, o que importa é fazer valer a vontade da maioria.