Greve dos bancários continua

 


Mais uma rodada de negociação frustrante em São Paulo. Na tarde desta quarta-feira (21), a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) fez uma nova proposta de reajuste salarial: 8,75%. A desculpa para um reajuste tão tacanho foi a crise, pois os banqueiros afirmaram que os bancos estão inseridos no cenário econômico nacional.

Diante do que foi oferecido, o Comando Nacional negou a proposta apresentada e representantes da categoria bancária destacaram o reajuste de 80% para os diretores dos bancos, o que contradiz a crise citada pelos banqueiros.

Para o diretor de Aposentados e Assuntos Previdenciários do Sindicato, Sócrathis Aguiar, é preciso que as mobilizações sigam fortalecidas. “Os banqueiros têm agido de forma desonesta nas negociações, menosprezando os trabalhadores, e sequer o horário combinado para a reunião conseguiram cumprir. Mas, a rapidez com que foi apresentada uma nova proposta, de ontem para hoje, só reforça a nossa convicção de que o movimento forte, no mínimo, vai nos garantir a reposição da inflação”, conclui.

Reunião com a superintendência do Itaú – Ainda na tarde desta quarta-feira foi realizada uma reunião com a superintendência operacional e comercial do Itaú, na agência Centro, em Vitória da Conquista. Foram discutidas as condições de trabalho a que são submetidos os funcionários do banco. Na pauta estavam todas as demandas das agências da base territorial do SEEB/VCR, e os superintendentes firmaram o compromisso de se inteirar e solucionar os problemas apresentados pela diretoria.

A estratégia contra os banqueiros é a mobilização

Os bancários vão realizar nesta quinta-feira, dia 22, uma mobilização em frente à agência da Caixa Econômica localizada na Praça Barão do Rio Branco, em Vitória da Conquista. Serão realizadas partidas de xadrez, para integrar os bancários e chamar a população para conhecer melhor as reivindicações da categoria.
O xadrez é um jogo de estratégia e tática, muito semelhante ao praticado pelos banqueiros, que em suas negociações tentam desmobilizar a categoria e não atendem as reivindicações dos bancários, que lutam por melhores condições de trabalho e atendimento à população.
Para a diretora de Cultura e Formação Sindical, Larissa Couto, é preciso que a luta dos bancários envolva toda a sociedade, pois todos sofrem com a exploração dos bancos. “Se os banqueiros têm táticas pra aumentar os lucros explorando bancários e clientes, vamos mostrar que nossa estratégia é a mobilização”, afirma.
A mobilização começa às 9h e vai até as 12h.
Imagem inline 1