Carlos Rátis apresenta Carta 33 aos advogados de Conquista

As propostas da Carta 33 – documento que reúne 33 propostas de melhorias para a jovem advocacia baiana – serão apresentadas em Vitória da Conquista, nesta sexta-feira (16), pelo candidato à presidência da Ordem dos Advogados do Brasil, Carlos Rátis.

Líder da chapa “Coragem para Renovar-77”, Rátis vai expor, no Espaço Rafik, às 20 horas, ao lado do advogado e candidato à presidência da Subsecção de Conquista Marcelo Nova, as principais idéias do grupo para a defesa e o fortalecimento da jovem advocacia no estado.

“Com o apoio da jovem advocacia baiana construímos uma plataforma de gestão participativa, que prevê uma Ordem aberta, transparente e, principalmente, mais atuante na busca de melhorias no serviço oferecido pelo Tribuna de Justiça”, afirmou.

A chapa Coragem para Renovar 77 também defende o estímulo ao empreendedorismo entre os novos profissionais, além da intervenção maior da OAB na fiscalização contra a desvalorização do trabalho advocatício, representada por baixos salários.

Os candidatos à diretoria da Ordem Maurício Góes e Góes (vice-presidente) e Marcus Oliveira (diretor-tesoureiro) também acompanham a ação, assim como os concorrentes ao Conselho Federal da OAB, Antônio Menezes, Gamil Foppel e Gutemberg Macedo.

Carta 33

Elaborado por um grupo de aproximadamente 300 advogados com até cinco anos de registro na seccional baiana intitulado Força Jovem, a carta 33 foi entregue a Carlos Rátis exigindo mais espaço e poder de deliberação da jovem advocacia na instituição.

De acordo com Alessandro Marques, um dos integrantes do movimento, a escolha se deu devido à relação do ex-interventor do Bahia  com a docência acadêmica, à preocupação com a pauta educacional e à aproximação com os jovens advogados.

“A Força Jovem acredita que Rátis tem o perfil para levar este documento adiante e transformar a Ordem mais aberta, participativa e, principalmente, mais transparente”, pontua Marques.

Entre os principais problemas pontuados pela categoria está a crise no judiciário baiano, como denunciam muitos dos advogados recém-chegados ao mercado. Segundos eles, a demora na apreciação dos casos, fruto da baixa produtividade, da falta de juízes, agravada pela greve dos serventuários, dentre outras causas, desestabiliza  os profissionais autônomos, além de desestimular o empreendedorismo dos novos profissionais.

Entre as principais reivindicações da Força Jovem está a reserva de pelo menos 7% do conselho seccional para os jovens advogados, e a participação mais efetiva da Ordem com projetos que auxiliem os novos profissionais  a terem sucesso no negócio e estimulem o empreendedorismo.  Atualmente, a Bahia possui mais de 15 mil advogados com o mesmo perfil dos integrantes da Força Jovem.