O Pai aponta para Cristo

Então lhe perguntaram: “Onde está o seu pai?” Respondeu Jesus: “Vocês não conhecem nem a mim nem a meu Pai. Se me conhecessem, também conheceriam a meu Pai”. (João 8.19) 

Quando os fariseus perguntaram: “Onde está o seu pai?” eles estavam dizendo: “Nós não ouvimos o testemunho do Pai. Os milagres que você realizou, como ressuscitar mortos, nada significam”. Os fariseus queriam que Jesus colocasse o Pai diretamente em frente dos seus olhos para que eles pudessem senti-lo e tocá-lo, como fariam com uma parede. De outra forma, eles não creriam nem aceitariam o que ele estava dizendo. Porém Cristo apontou para o testemunho do Pai, não para que eles sentissem e tocassem o Pai, mas para que eles cressem. O testemunho do Pai deveria ter levado todos eles à sua Palavra. Filipe também disse a Cristo: “Mostra-nos o Pai” (Jo 14.8). Mas Cristo não nos mostra o Pai da maneira como talvez o queiramos ver. Em vez disso, o Pai nos mostra Cristo, que diz: “O Pai me aponta a vocês, não o contrário. Ele é quem mostra Cristo a vocês. Ele testifica de mim. Vocês devem fazer o que ele diz e ouvir minhas palavras e meu testemunho”.

Esse é o principal ponto do argumento: nós sempre devemos manter Cristo diante dos nossos olhos. O mal nos tenta continuamente para abandonarmos a Cristo e procurarmos o Pai, dizendo-nos: “Isso ou aquilo agradará a ele”. Enquanto isso, ignoramos Cristo – aquele que o Pai enviou para que ouvíssemos apenas ele. Respondemos como os fariseus responderam e rejeitamos Cristo. Imaginamos: “Onde está o Pai?”. Essa é a pergunta que o mundo faz.

Essa é a maior tentação para a nossa fé. Devemos nos dedicar à Palavra de Cristo e nos treinar para nos apegar a ela de tal maneira que nunca percamos Jesus de vista. 

>> Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato.