Estudantes celebram as tradições dos povos indígenas

As escolas indígenas da rede estadual de ensino da Bahia realizam ações alusivas ao Dia do Índio, comemorado nesta quarta-feira (19). Com uma programação voltada para a valorização dos saberes, da cultura e das tradições dos povos indígenas, os estudantes das 26 unidades escolares indígenas da rede estadual participam de atividades culturais e jogos. Atualmente, a rede atende a 6.345 estudantes indígenas, de 16 etnias de 134 comunidades, com escolas em 14 municípios baianos.No Colégio Estadual Capitão Francisco Rodelas, na Aldeia Tuxá, no município de Rodelas, o dia está sendo marcado pela culminância do projeto anual da Feira Cultural que, desta vez, traz como tema a sustentabilidade e as belezas do Rio São Francisco, considerado o opará (divindade dos rios e das cachoeiras) dos povos indígenas. “Nosso objetivo com a documentação e pesquisa sobre as vivências culturais do povo Tuxá e a sua relação com o Velho Chico, bem como as discussões sobre sustentabilidade, é o de afirmar e valorizar a cultura e a identidade Tuxá, conscientizando as comunidades escolar e local sobre a importância do rio para o nosso povo”, explica a diretora Mayra Apako Tuxá.Já no Colégio Estadual Indígena José Zacarias, na aldeia Kiriri Pau Ferro, no município de Banzaê, os estudantes participam de atividades desde às 5h da manhã, com uma programação cultural de suas tradições que prossegue até às 22h30. No Colégio Estadual Indígena de Corumbazinho, no município de Prado, a comunidade escolar realiza ações esportivas, com a participação de outras unidades, como a Escola Estadual Indígena Aksã Pataxó e os colégios estaduais indígena Bom Jesus, 25 de Julho e Tawá.

O coordenador da Educação Indígena da Secretaria da Educação do Estado, Rafael Barbalho, ressalta os avanços que vêm acontecendo na Educação Indígena da rede estadual, a exemplo da oficialização das escolas indígenas, a implantação da categoria de professor indígena, a gestão escolar formada pelos próprios indígenas e a formação continuada. “Trata-se de uma Educação específica e diferenciada, garantida pela Constituição. Temos, na Bahia, a oficialização das escolas indígenas, que têm seu ordenamento jurídico próprio, o que significa autonomia para organizar o seu próprio calendário e suas ações pedagógicas”, afirma.Rafael destaca ainda que, no momento, está sendo realizada a terceira etapa da formação dos professores efetivos das escolas indígenas, sendo no total cinco etapas. No início de julho, a Secretaria da Educação irá ofertar formação continuada para os professores indígenas nas áreas de Linguagem e Matemática.

Educação Indígena 

A Educação Escolar Indígena na Bahia é respaldada em um processo de constituição e fortalecimento de uma educação específica, intercultural, diferenciada e de qualidade, respondendo às necessidades educacionais e às especificidades socioculturais dos 16 grupos étnicos que têm a oferta da Educação Indígena: Atikum, Kaimbé, Kantaruré, Kariri-Xocó, Kiriri, Payayá, Pankararé, Pankarú, Pataxó Hãhãhãe, Pataxó, Truká, Tumbalalá, Tupinambá, Tuxá, Xacriabá e Xukuru-Kariri.

Arquivado em: Brasil, Destaques, Entretenimento, Esportes, Mundo, Sem categoria, Sudoeste Tags: , , ,
© 2017 Diário do Sudoeste da Bahia. Todos os direitos reservador. XHTML / CSS Valid.
Orgulhosamente desenhado por Theme Junkie.Tradução e Personalização - Pronano Estúdio