Sesab contabiliza 75 atendimentos relacionados ao São João

Foto: Reconcavo Online
Em todo o estado, entre os dias 22 e 25 de junho, foram registrados 75 atendimentos de vítimas de queimaduras por fogos e explosão de bombas, em unidades da rede da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab). O Hospital Geral do Estado (HGE) em Salvador, teve o maior número de ocorrências relacionadas aos festejos juninos, com um total de 43 atendimentos, sendo 11 vítimas de queimaduras por fogos e 32 por explosão de bomba.
No Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus, também referência para o atendimento a queimados, deram entrada 14 pessoas vítimas de queimaduras. Ainda no interior, foram registrados atendimentos nos seguintes hospitais: Hospital Estadual da Criança (HEC), em Feira de Santana (4); Hospital Geral de Itaparica (1); Dantas Bião, em Alagoinhas (1); Hospital Regional de Juazeiro (7); Hospital Regional da Chapada, em Seabra (3), e Hospital Regional Costa do Cacau, em Ilhéus (2).
Nenhum acidente com fogo de artificio registrado em Vitória da Conquista.

Hospitais na Bahia são referência no atendimento a queimados

A prevenção é o cuidado mais importante em relação às queimaduras, especialmente com a chegada das festas juninas, quando a tradição das fogueiras e dos fogos de artifício toma conta de todo o estado.

 

Na Bahia, dois hospitais são referência no atendimento de queimaduras. O Hospital Geral do Estado (HGE), em Salvador, é unidade de referência e um dos poucos equipamentos no país dotados de centro cirúrgico e UTI próprios, e, no interior, a especialidade é encontrada no Hospital Regional, em Santo Antônio de Jesus.

 

A equipe do Hospital Geral em Salvador está desde o mês de abril se atualizando sobre os métodos de atendimento. Segundo o diretor-geral do HGE, André Luciano Andrade, é preciso atenção especial com as crianças. “Os pais precisam estar presentes, não deixar essas crianças manusearem fogos de artifício mais potentes e, mesmo com os de baixo risco, é preciso atenção, para que elas não se queimem”. Andrade explica que as partes do corpo mais afetadas pelos acidentes com fogos de artifício são as mãos. “Mas uma explosão de bomba pode afetar a visão, ou provocar queimaduras em outras partes do corpo”, acrescentou.

O diretor informa que o HGE possui o maior centro de queimados da Bahia, inaugurado em 2016. “O HGE não tem uma preparação específica para esta época do ano, mas tem uma estrutura e uma equipe multidisciplinar preparadas no dia a dia para qualquer situação. Nós somos também referência no setor de cirurgia de mãos, que podem ser atingidas especialmente por acidentes com bombas”.

Em 2017, o Hospital Geral do Estado, realizou 53 atendimentos entre os dias 23 e 25 de junho, sendo 24 de queimaduras por fogos e 29 por explosão de bomba. O hospital é referência no estado e um dos poucos serviços no país dotados de centro cirúrgico e UTI próprios, o Centro de Tratamento de Queimados do HGE, possui 28 leitos de internamento e mais quatro de UTI.

No interior do estado, devido ao número de casos relacionados à queimadura no período do São João, o Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus promoveu um simpósio visando conscientizar os profissionais de saúde sobre a importância da prevenção, do tratamento e terapia curativa aos pacientes vítimas de queimaduras.

As equipes assistenciais do município estão participando de atualizações em técnicas avançadas na terapia curativa e tratamento aos pacientes vítimas de queimaduras por fogos de artifício. No período festivo, o quadro de profissionais médicos e assistenciais recebe reforço em plantões estratégicos.

Primeiros Cuidados

Em caso de queimadura, não devem ser usadas pomadas nem soluções caseiras. A região afetada deve ser lavada com água corrente e protegida com uma compressa úmida. Em seguida, o paciente deve buscar atendimento em uma unidade de saúde.

 

Estudo divulgado pela Associação Brasileira de Cirurgia da Mão (ABMC) mostrou que ao menos 50% das mãos mutiladas no Brasil poderiam ser preservadas, caso o primeiro atendimento fosse especializado. No período de festas juninas, cerca de 90% dos acidentes graves, relacionados à explosão de bombas, resultam em amputações.