Câmara discute importância do movimento maio amarelo

Imagem AUDIÊNCIA PÚBLICA: Câmara discute importância do movimento maio amarelo

A Câmara Municipal de Vitória da Conquista realizou audiência Pública em atenção ao Movimento de conscientização e prevenção de acidentes de trânsito, conhecido como Maioa Amarelo. A audiência faz parte do calendário municipal, através da Lei nº 227/2018. Participaram do evento o representante da Polícia Rodoviária Estadual, Tenente Ribeiro; da Polícia rodoviária Federal, Frederico Leite; a coordenadora de trânsito municipal Rainê Costa Mendes; representante do SAMU 192, José Deoclécio Ferraz; Corpo de bombeiro, Capitão Sertão; representante do SEST/SENAT, Karina Cardoso; Gina Bernardes, representando OAB; Lidiane Dias do Cidetran.

 

O vereador Fernando Jacaré, solicitante a audiência, iniciou as discussões ressaltando a importância das ações do Maio Amarelo e explicou que “essa audiência passa a integrar a calendário de datas importantes da nossa cidade”. Ele lembrou ainda, que o tema tomou uma proporção ainda maior após a morte do agente do Simtrans Gilmar Moreira Santos. “Foi ali que começamos de fato a debater esse assunto aqui na cidade”.

Jacaré falou que esse não é um mês para se comemorar, e sim para debater e encontrar soluções: “Não podemos medir esforços, temos que juntar forças para juntos não só neste mês, mas em todos os meses, ações concretas para debater e melhorar a situação do trânsito em nossa cidade”, concluiu.

 

 

Orientação através da Educação – Karina Cardoso, representante do SEST/SNAT, lembrou que a instituição trabalha com o cunho educativo e informativo para levar ao maior número de pessoas o que acontece no trânsito brasileiro. “O uso do celular é o terceiro maior causador de acidentes em todo o país. O segundo é a ingestão do álcool e a primeira causa que mais mata é a alta velocidade nas estradas”, contou. Ela contou ainda, que o SEST/SENAT lida todos os dias com o setor de transporte tentar fazer treinamentos, cursos. “São mais de 460 cursos a disposição”. E concluiu afirmando que cabe a instituição orientar e levar a melhor capacitação para todos”.

 

Redução de acidentes – Representando a OAB, Gina Bernardes iniciou seu pronunciamento lembrando que a falta do cinto de segurança, uso de celular, “e tantas outras atitudes só aumentam o número de acidentes”. Lembrou que “o maio amarelo vem reduzindo de forma significante os acidentes, tudo isso só é possível por intermédio da educação”. Gina finalizou seu pronunciamento contando que a OAB tem um projeto que vai as escolas orientar jovens e crianças sobre temas do dia a dia inclusive prevenção de acidentes de trânsito.

 

Número de mortes é impressionante – Representando o SAMU 192 de Vitória da Conquista, o médico José Deoclécio Andrade Ferraz destacou os altos índices de mortes no trânsito brasileiro. “No Brasil nós temos um índice de aproximadamente 43 mil mortes por ano. É um número impressionante”, disse ele. “Cai um avião no Brasil todos os dias”, emendou numa comparação entre o número diário de mortes no trânsito e a média de capacidade de um avião comercial. Ainda em sua fala, o médico defendeu a elaboração de medidas mais efetivas na educação dos envolvidos no trânsito. “Não tem como falar em mortes no trânsito sem falar em educação”, finalizou.

 

Falta de disciplina do trânsito deve doer no bolso – Representando o Corpo de Bombeiros de Vitória da Conquista, o Capitão Sertão reafirmou o que já havia sido dito por vários de seus antecessores de ser necessário a educação no trânsito para preservar vidas. Disse que é preciso que as ações sejam mais firmes, fazendo com que os infratores paguem multas cada vez mais pesadas. Afirmou que a fiscalização precisa ser aprimorada e que a indisciplina dos infratores resulta em perdas.

 

Educação para fazer a diferença – A coordenadora de habilitação da 4ª CIRETRAN, Lidiane Dias, disse que quando a ONU resolveu criar a campanha Maio Amarelo, tinha a intenção de nos educarmos e tanto o poder público quanto a sociedade pudessem fazer uma efetiva diferença. A coordenadora também salientou que enquanto cada um não fizer a sua parte, não haverá uma mudança nos números de acidentes do Brasil e do Mundo e afirmou que é necessária uma política de educação das crianças com o intuito de melhorar o trânsito.

 

A coordenadora de trânsito municipal, Rainê Costa Mendes lembrou que o movimento do maio amarelo nasceu com o objetivo de conscientizar a população sobre os riscos do acidente de trânsito. “Por meio de palestras e ações, tentamos chamar atenção para cuidados e atitudes no trânsito”, contou. Ela relatou que o Sintrans vem realizando, de forma incisiva, a fiscalização do  uso de celular pelos motoristas. “Conseguimos que essa infração saísse do ranking das 5 mais. Um ganho porque gera grandes acidentes”, comemorou. Ela relatou ainda que o uso do cinto de segurança também é algo que ainda precisa ser trabalhado com a população, “é uma das infrações mais cometidas pelos conquistenses”. Terminou dizendo que o sintrans tem um projeto “De mãos dadas salvamos vidas”, em parceria com várias instituições, realizando ações de conscientização.

 

Educação precisa estar aliada com Engenharia e Fiscalização – representando a Polícia Rodoviária Estadual, o Tenente Ribeiro apontou que a Educação é de fato um fator importante na prevenção de acidentes, mas adicionou que ela precisa estar apoiada pela Engenharia de Trânsito e pela Fiscalização. “O trânsito é tratado através de três pilares Educação, engenharia e fiscalização. Sem sombra de dúvida a educação é a base. Mas, será que em pleno Século XXI, alguém assume a direção de um veículo sem habilitação, com licenciamento atrasado, pneu careca, sistema de iluminação defeituoso sem consciência de que está infringindo uma norma?”, questionou.

Ele apontou que a estrutura dos cruzamentos ao longo Anel Rodoviário Jadiel Matos como exemplos de problemas causados pela má engenharia de tráfego. “Observem o anel viário de Vitória da Conquista, os cruzamentos de uma BR com BA’s, extremamente movimentadas. Ali tinha que ter viadutos, é inconcebível uma situação daquela”, apontou. “O cidadão quando transgride uma norma, não é porque desconhece. Ele transgride porque ele sabe que está assegurado a ele um resultado que não a penalidade”, disse ele ressaltando a necessidade de reforçar a fiscalização no trânsito como um dos fatores do tripé capaz de garantir a redução da violência no trânsito.

 

Maioria dos acidentes tem causa na  falha humana – O novo inspetor da Polícia Rodoviária Federal de Vitória da Conquista, Frederico Garcia Leite, salientou o significado da campanha, afirmando que a ONU escolheu a década entre 2011 e 2020 para a redução em 50% nos acidentes de trânsito e disse que as estatísticas apontam que a cada 57 segundos acontece um acidente envolvendo veículos no Brasil, além disso, comentou que 93% deles tem uma causa humana relacionada e em 75% a forma de dirigir é a causa. Por fim, pediu que a conscientização tem que começar a partir das crianças.

 

Guarda de Trânsito Mirim – Entusiasta da Educação como fator preponderante para redução da violência no trânsito, o Sargento Abisolon propôs que as escolas sejam utilizadas para conscientizar as crianças. “Minha proposta é que as escolas municipais criem o guarda de trânsito mirim aqui em Vitória da Conquista, com 30 alunos por escola”, propôs.