Prefeitura de Conquista trata com descaso servidores nesse momento de pandemia

Texto e imagens: Ascom Sindicato dos Bancários

Enquanto os casos de contaminação por Vitória da Conquista nos últimos dez dias foram de 486 para 729 casos notificados, a prefeitura decidiu mudar a folha de pagamento dos servidores para o Itaú, gerando transtorno e aglomerações na frente dos bancos.

Há relatos de que na segunda e terça desta semana pessoas esperaram na fila até às 20h da noite, expostos à chuva. Na manhã desta quarta-feira (1º), o Itaú da São Geraldo tinha quase 100 pessoas aguardando o atendimento e a fila do Itaú da Francisco Santos seguida da frente da agência até o beco dos artistas. Isso está ocorrendo porque com a mudança da folha, do Santander para o Itaú, os servidores para sacar o salário os servidores precisam do cartão que só pode ser desbloqueado na agência. Sem o cartão a única possibilidade é sacar o salário no caixa, o que torna inevitável a ida das pessoas para as agências.

A gestão municipal de Herzem Gusmão pouco tem feito para auxiliar a categoria bancária neste momento. Desde que foi decretada pela Organização Mundial da Saúde a pandemia da Covid-19 e foram iniciados os processos de suspensão das atividades, o setor bancário foi um dos poucos que seguiram trabalhando, mesmo em contingenciamento. Foram mais de dois meses de requerimentos de auxílio da prefeitura para organizar as filas que geram aglomerações que colocavam bancários e população em risco.

Tendo conhecimento que as agências estão operando com um quadro presencial reduzido, devido ao afastamento dos trabalhadores de risco, ao invés de ajudar, a prefeitura só agravou ainda mais com a recente mudança administrativa. Essa situação tem tornado impossível até mesmo o cumprimento da Lei Municipal que garante o atendimento bancário em no máximo 25 minutos, em casos excepcionais, e 15 min em ocasião regular.

Vale destacar que no ano passado o Banco Itaú fechou a agência que ficava localizada no bairro Brasil, sobrecarregando as outras duas agências que restaram. Com essa nova demanda da folha de pagamento as dificuldades de atendimento serão ainda maiores agora. Para piorar a situação, mesmo com a alta lucratividade, o banco segue com o projeto de redução do quadro de funcionários, constantemente denunciado pelo Sindicato dos Bancários de Vitória da Conquista e Região.

“Tanto a prefeitura quanto o banco Itaú deveriam ter adotado medidas para garantir o atendimento aos servidores municipais sem comprometer a segurança destes, assim como a dos bancários. Essa situação de filas absurdas na porta das duas agências colocam usuários e trabalhadores como vítimas da desorganização e da ganância da PMVC e dos banqueiros do Itaú, que promovem uma ação com cerca de 9000 servidores sem uma estrutura física e quantidade de bancários adequadas para atender uma demanda desse tamanho”, destaca Leonardo Viana, presidente do SEEB/VCR