Casa Militar da Bahia: 100 anos cuidando da segurança dos Governadores do Estado

Casa Militar da Bahia completa 100 anos com atuação discreta e foco no planejamento das ações


Uma instituição centenária que atua nos bastidores do Governo do Estado e tem na discrição e planejamento as ferramentas para a realização de um trabalho bem feito. Assim pode ser descrita, ainda que brevemente, a Casa Militar do Governador do Estado da Bahia, que completa 100 anos nesta quinta-feira (15).

Criada em 1920, durante a gestão do governador JJ Seabra, a Casa Militar trabalha para assistir ao governador durante o exercício de suas funções, bem como realizar a segurança pessoal do chefe do executivo, de seus familiares, incluindo áreas internas e externas da Governadoria e residência oficial do chefe do poder executivo baiano.   

O amplo leque de atividades inclui ainda a segurança de chefes de Estado e de todas as autoridades convidadas pelo governo baiano em visita ou missão oficial na Bahia. Um trabalho que inclui o planejamento e a execução dos serviços relativos ao transporte terrestre e aeroviário do governador e dos visitantes oficiais e de outras autoridades.   

O órgão tem status de Secretaria de Estado e fica responsável pelo deslocamento do governador. O chefe da Casa Militar, coronel Maurício Costa, afirmou que a atividade requer muito trabalho, precisão e discrição. “A gente costuma dizer que quando a Casa Militar aparece em alguma missão do governador, algo deu errado. O nosso trabalho é se antecipar para que nada ocorra e com o detalhamento de não aparecer.

A Casa Militar estará antes, durante e depois de uma agenda do governador, mas a discrição sempre será o ponto forte. Temos no nosso dia a dia sempre situações novas, mas atuamos com tranquilidade por saber que tudo foi planejado. Cada dia é um desafio, mas sempre superado pelo trabalho da nossa equipe”.   

Somente na gestão do governador Rui Costa, a equipe da Casa Militar viabilizou o deslocamento do gestor ao interior do estado em aproximadamente 600 viagens. O diretor de aviação da Casa Militar, tenente coronel Carvalho, explicou o trabalho realizado. “Quando se decide que o deslocamento do governador será por via aérea, é necessário mobilizar toda uma estrutura que atenda essa demanda. Por exemplo, precisamos definir local de pouso e decolagem, levar combustível para abastecer a aeronave. Enfim, são ações que envolvem muito trabalho e logística, que a maioria das pessoas não têm conhecimento.  

O foco é sempre atender com segurança e rapidez as necessidades do nosso governador”. A Casa Militar também se configura como espaço importante de aprendizado para os policiais que desempenharam suas atividades no órgão.

O coronel da reserva e agora assessor especial da Casa Militar, Júlio Pinheiro, relembra a sua experiência de 16 anos. “O policial que se desloca para a Casa Militar aprende muito e se especializa no relacionamento com os órgãos de Estado.

É possível ter uma visão estratégica porque deixa de ser apenas policial militar para ter um conhecimento da área sistêmica do governo”.  

Fotos: Paula Fróes. Texto Secom Bahia