Filho do comediante Mazzaropi fará parte do evento “Mostra Cinema Conquista”

Quem não se lembra do personagem caipira que permeou em torno de 50 anos o cenário do cinema, televisão, teatro, circo e rádios brasileiras? O nome dele era Amácio Mazzaropi, o “Jeca”, como chamado em seus filmes. Durante os anos 50 até um pouco mais de 80 o Brasil acompanhou sua trajetória com filmes que geralmente acompanhavam o “modismo” da época, como: o western-spaghetti, filmou Uma pistola para Djeca (1969), no auge do sucesso da novela Beto Rockfeller fez Betão Ronca Ferro (1970), e para tirar parodiar O exorcista, fez o fijme Jeca contra o capeta (1976).  O personagem acompanhou até quem nasceu na década de 80, pois durante muito tempo seus filmes foram repassados na TV.
E para quem quer relembrar e conhecer um pouco de Mazzaropi, a “Mostra Cinema Conquista” ano 7, que acontecerá entre os dias 08 e 12 de novembro na cidade de Vitória da Conquista,  traz seu filho André Mazzaropi “O filho do Jeca”. Com um pseudônimo bem original, André apresenta o espetáculo “TEM UM JECA NA CIDADE” e a essência da apresentação é monólogo cômico musical (standap caipira) escrito por Amácio Mazzaropi na década de 30.

Segundo “O filho do Jeca” o que o motivou a atuar como clown de Mazzaropi desde década de 70 e após sua morte, continuar a espalhar sua história pelo Brasil a fora, foi a própria paixão demonstrada pelo público brasileiro pelo comediante. Até o momento, André, ou “O filho do Jeca” realizou 1.580 (mil quinhentos e oitenta) apresentações com estimativa de público em torno de 3.160.000 (três milhões e cento e sessenta mil pessoas) desde o ano de 1983, quando iniciou sua carreira sem seu pai.

A Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista foi motivada em trazê-lo para o evento pela referência que o humorista Amácio Mazzaropi  tem no país. A PMVC faz uma homenagem ao “Centenário de Mazzaropi” e agrega mais conteúdo na  “Mostra Cinema Conquista” com a divulgação do artista. Segundo Gildeson Felício, Secretário de Cultura da PMVC, houve uma aquisição do acervo completo de Mazzaropi com 32 filmes para compor a cinemateca da cidade e exibí-los em outros momentos.

A apresentação musical de André Mazzaropi será no dia 11 de Novembro, na área externa do Centro de Cultura Camilo de Jesus Lima às 22:30. Questionado sobre o que Amácio Mazzaropi o representou e representa, o humorista diz: “Fui amigo, companheiro, enfermeiro, secretário, motorista, assistente de produção, diretor e filho; por ele subi 1.580 vez  num palco para relembrá-lo nos mais diversos rincões deste país e com todas as dificuldades que representa fazer cultura neste país; agora pra minha alegria vou como ele falou na sua última cena em seu último filme: “Vou à Bahia … uma grande Conquista.””.

Sobre Amácio Mazzaropi
Amácio Mazzaropi nasceu em São Paulo- Capital em 09 de Abril de 1.912, começou sua carreira com assistente de faquir em São Paulo aos 17 anos; fez teatro na década de 30 e 40 pelo pais, nos anos 40 foi grande sucesso no Rádio, na Rádio Tupy – São Paulo por 8 anos foi o maior sucesso do pais no radio com 15 minutos semanais; trabalhou um ano na Rádio Nacional do Rio de Janeiro e voltou a Radio Tupy-SP, inaugurou a Televisão brasileira com a TV TUPY no ano de 1.950 sendo o primeiro comediante da televisão com o programa Rancho Alegre dirigido por Cassiano Gabus Mendes; Levado por Abílio Pereira de Almeida ao cinema fez com a Cia Cinematográfica Veraz Cruz  de São Bernardo do Campo -SP 04 filmes; já no primeiro filme o Sai da Frente, bateu todos os recordes de público e bilheteira, um sucesso, fez mais 4 filmes como empregado ou contratado e decide montar sua própria produtora em 1.958 inaugura a PAM FILMES e com ela produz como produtor, diretor e cineasta 24 filmes do Chofer de Praça ao Jeca e a Égua Milagrosa levou entre 1.958 e 1.984 -206.000.000-( duzentos e seis milhões ) de expectadores pagantes; o maior recordista de publico e bilheteria até os dias de hoje; faleceu em 13 de junho de 1.981 e esta enterrado junto com os pais na cidade de Pindamonhangaba-SP; deixou á época mais de 90.000.00-(Noventa milhões ) de fãns pelo pais e o mundo.

Sobre André Mazzaropi  “ O filho do Jeca”

Nascido na cidade de Taubaté, em 21 de junho de 1.957 no Vale do Paraíba, Estado de São Paulo, sob o nome de André Luiz de Toledo, filho de família tradicional da cidade, aos 11 anos de idade conheceu Amácio Mazzaropi, quando este filmava no Convento Santa Clara, em Taubaté–SP o filme No Paraíso das Solteironas, em 1.968, ali nascia uma amizade que duraria por toda a vida, ali nascia “O Filho do Jeca”. Entre 1.968 e 1.974 foram muitas idas e vindas, mas em 1.975, Mazzaropi adoecido encontra no amigo, alguém pra lhe cuidar, dois anos a beira de sua cama, que valeu uma vida, recuperado Mazzaropi o leva para o Cinema para interpretar justamente seu filho, o ‘Filho do Jeca’, em Jecão… Um Fofoqueiro no Céu, depois Jéca e Seu Filho Preto, A Banda das Velhas Virgens e O Jéca e a Égua Milagrosa, transformou-o em seu “Clown” (apresentador de seus shows), entre 1.976 á 1.981 foram 901 Shows, do Primeiro Show em Ourinhos – SP – 1.976 ao ultimo show em Leme-SP -1.981, e ai o Mazza se foi, 13 de junho de 1.981.

Sobre o Show

Adaptado do texto original de Amácio Mazzaropi o Show de André Luiz Mazzaropi, O Filho do Jéca, é um monologo cômico  musical do Casamento do Jeca, A Ratoeira, A Fila do Ônibus até a Sanfona da Véia. O show com muitas músicas e muitos traz lembranças das principais músicas dos filmes de Mazzaropi, como: Tristeza do Jéca, Casinha Pequenina, O Policarpo, A Dor da Saudade, Fogo no Rancho, O Azar é Festa, O Sanfoneiro, e não pode faltar o Nhec… Nhec… da Sanfona da Véia. A apresentação é sempre precedida de um filme do Mazzaropi exibido em telão.
Hoje são mais de 1.580 shows realizados; entre eles: Leme-SP, em 1.983 a primeira e a ultima em 2011 Uberaba-MG – muitas cidades já deram muitas risadas.