Lei Seca não inibe principal causa de morte nas estradas

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) avalia que a Lei Seca ajudou a reduzir o número de mortes nas estradas federais no feriado de Páscoa, mas ainda não impede a principal causa de óbitos nas rodovias brasileiras: a colisão frontal. Para reduzir esse tipo de acidente, o governo planeja aprovar um pacote de medidas ainda este mês no Congresso, a fim de endurecer multas e reforçar a fiscalização.

Segundo a PRF, a Lei Seca sozinha não é capaz de reduzir a colisão frontal, já que esse tipo de acidente é resultado de outros fatores, como a disposição das estradas brasileiras e a imprudência dos motoristas, mesmo sem o consumo de álcool.

A fiscalização é dificultada, porque a colisão pode ocorrer em qualquer ponto ao longo das rodovias, principalmente na zona rural, onde a maioria conta com apenas uma pista para ida e outra para volta.

Segundo o texto em discussão proposto pelo governo, a proposta é multiplicar por sete a multa atual, de R$ 191, mais sete pontos na carteira de motorista para quem forçar a ultrapassagem perigosa, em local proibido ou pelo acostamento. O governo também quer investir em campanhas educativas e na realização de operações integradas de fiscalização, federal, estaduais e municipais.