PMVC

Gilzete destaca projeto “Estudando com a Bíblia”

Segundo parlamentar, ensinamento bíblico pode reduzir problemas familiares e na sociedade

 Líder da Bancada de Situação, o vereador Gilzete Moreira (PSB) manifestou sua insatisfação por não poder apresentar à comunidade de Pradoso nenhuma informação sobre a construção da quadra poliesportiva, uma reivindicação antiga da comunidade. Lembrou que o assunto já foi tema em sessão anterior no distrito. “É o desejo de todos os vereadores verem essa quadra, ajudando a juventude”.

O vereador convidou a comunidade a participar de Sessão Especial que vai discutir um Projeto de Lei de sua autoria que busca implementar no currículo escolar municipal a disciplina “Estudando com a Bíblia”, segundo ele uma iniciativa sem conotação religiosa e “de importância tremenda para nossa juventude”. Experiências em outros municípios demonstram resultados positivos, inclusive nos professores. “Infelizmente, nos lares os pais têm deixado de ensinar princípios da Palavra de Deus aos seus filhos. Vemos a violência assolando, e é preciso que a juventude tenha freios”.

A escola dominical como solução de problema social

Sentado a sua mesa de trabalho num domingo em outubro de 1780 o dedicado jornalista Robert Raikes procurava concentrar-se sobre o editorial que escrevia para o jornal de Gloucester. Foi difícil para ele fixar a sua atenção sobre o que estava escrevendo pois os gritos e palavrões das crianças que brincavam na rua, debaixo da sua janela, interrompiam constantemente os seus pensamentos. Quando as brigas tornaram-se acaloradas e as ameaças agressivas, Raikes, de sua janela protestava o comportamento das crianças. Todos se acalmaram por poucos minutos, mas logo voltaram às suas brigas e gritos.

PMVC

Robert Raikes contemplou o quadro em sua frente, enquanto escrevia mais um editorial pedindo reforma no sistema carcerário. Ele conclamava as autoridades sobre a necessidade de recuperar os encarcerados, reabilitando-os através de estudo, cursos, aulas e algo útil enquanto cumpriam suas penas, para que ao saírem da prisão pudessem achar empregos honestos e tornarem-se cidadãos de valor na comunidade.

Começou a pensar sobre o destino daquelas crianças. Pequeninos sendo criados sem qualquer estudo que pudesse lhes dar um futuro diferente daquele dos seus pais. Se continuassem dessa maneira, muitos certamente entrariam no caminho do vício, da violência e do crime. Clichê ou retrato em preto e branco do que seria a nossa realidade no século XXI.

Percebe-se que os problemas sociais que vivemos hoje, não são diferentes dos vividos na Inglaterra, nos anos de 1780, quatro séculos atrás.

Naquele tempo não havia escolas públicas na Inglaterra. Apenas escolas particulares, privilégio das classes mais abastadas que podiam pagar os custos altos. Assim, as crianças, filhas de pais sem recursos ficavam sem estudar; apenas trabalhando diariamente nas fábricas. Jornada de 14 horas diárias. Folga aos domingos.

Por um futuro melhor – Sentado a sua mesa, e meditando sobre esta situação, um plano nasceu na sua mente. Ele resolveu fazer algo que pudesse mudar a forma de  viver das crianças, garantindo-lhes um futuro melhor! Pondo ao lado seu editorial sobre reformas nas prisões, começou a escrever sobre as crianças sem oportunidade para estudar e se preparar para uma vida melhor. Quanto mais ele escrevia, mais sentia-se empolgado com seu plano de ajudar as crianças. Neste primeiro editorial  chamou atenção à condição deplorável dos pequeninos, e no próximo ele apresentaria uma solução que estava tomando forma na sua mente. 

Quando leram seu editorial, houve alguns que sentiram pena das crianças, outros que acharam que o jornal deveria se preocupar com assuntos mais importantes do que crianças, sobretudo, filhos dos operários pobres! Mas Robert Raikes tinha um sonho e este estava enchendo seu coração e seus pensamentos cada vez mais! No editorial seguinte, expôs seu plano de começar aulas de alfabetização, linguagem, gramática, matemática, e religião para as crianças, durante algumas horas de domingo. Fez um apelo, através do jornal, para mulheres com preparo intelectual e dispostas a ajudar-lhes neste projeto, dando aulas nos seus lares. Dias depois um sacerdote anglicano indicou professoras da sua paróquia para o trabalho.

Foi à Rainha da Inglaterra pedir permissão para desenvolver seu projeto, já que então, era proibido ler ou estudar as Sagradas Escrituras, também privilégio dos poderosos economicamente.

O entusiasmo das crianças era comovente e contagiante. Algumas não aceitaram trocar a sua liberdade de domingo, por ficar sentadas na sala de aula, mas eventualmente todos estavam aprendendo a ler, escrever e fazer as somas de aritmética. As histórias e lições eram os momentos mais esperados e gostosos de todo o currículo. Em pouco tempo, as crianças aprenderam lições de moral, ética e educação religiosa, trabalhando com a Bíblia. Verdadeira educação cristã.

Movimento mundial – No começo Raikes encontrou resistência ao seu trabalho, entre aqueles que ele menos esperava – os líderes das igrejas. Achavam que ele estava profanando o domingo sagrado e profanando as suas igrejas com as crianças ainda não comportadas.

Por outro lado, algumas instituições, vendo o efeito salutar que a aulas tinham sobre as crianças, começaram a abrir suas portas para classes dominicais. As classes bíblicas começaram a se propagar rapidamente por cidades vizinhas e, finalmente, para todo o país. Quatro anos após a fundação, a Escola Dominical tinha mais de 250 mil alunos, e quando Robert Raikes faleceu em 1811, havia na Escola Dominical 400 mil alunos matriculados.

A Escola Bíblica Dominical surgiu no Brasil em 1855, em Petrópolis, no Rio de Janeiro. O jovem casal de missionários escoceses, Robert e Sarah Kalley, chegou ao Brasil naquele ano e logo instalou uma escola para ensinar a Bíblia para as crianças e jovens daquela região.

No mundo há muitas coisas que pessoas sinceras e humanitárias fazem sem pensar ou imaginar a extensão de influência que seus atos podem ter. Certamente, Robert Raikes nunca imaginou que as simples aulas que ele começou entre crianças pobres e analfabetas da sua cidade, no interior da Inglaterra, iriam crescer para ser um grande movimento mundial. Hoje, a Escola Dominical conta com mais de 60 milhões de alunos matriculados, em mais de 500 mil igrejas protestantes no mundo. É a minúscula semente de mostarda plantada e regada, que cresceu para ser uma grande árvore cujos galhos estendem-se ao redor do globo. É a verdadeira escola que transforma o caráter humano. Aceita alunos de ambos os sexos, todas as idades, crenças, cor, classe social e política. O mais interessante: de graça!