2º Fórum Comunitário do Selo Unicef

 

Representantes governamentais e da sociedade civil ligados à área infanto juvenil, além da mediadora do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), participaram da assembleia que aconteceu no auditório da Praça CEUs J. Murilo, durante o o 2º Fórum Comunitário do Selo Unicef de Vitória da Conquista. 

O objetivo do fórum foi apresentar à comunidade os resultados do Plano de Ações Municipais, definido, em 2014, na última edição do evento. O Plano traçou metas para promover melhorias na qualidade de vida de crianças e adolescentes do município.

No Fórum, as secretarias municipais de Desenvolvimento Social, de Educação e de Saúde apresentaram os dados dos últimos dois anos. “O que vimos no dia de hoje é o que acontece diuturnamente e não só por conta do Fórum. E já somos vitoriosos devido às discussões e ao aprendizado. Essa luta vai continuar para além da certificação, pois o Governo Municipal quer uma cidade cada dia melhor”, declarou o secretário municipal de Educação, Gustavo Leão, que na reunião representou o prefeito Guilherme Menezes.

A mediadora Ângela Amorim conheceu e avaliou as ações e políticas públicas desenvolvidas pelo município durante o quadriênio 2013-2016, fundamental para a concessão do Selo Unicef Município Aprovado. “Vocês têm um trabalho muito importante na assistência à criança e ao adolescente, um trabalho belíssimo. Tudo o que vi foi fantástico, mas duas coisas se destacaram foi o Hospital Esaú Matos, que chamei de corredor da vida e o trabalho integrado com o Judiciário”, relatou a mediadora.

 Para a presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (Comdica), Cássia Eugênia Cardoso, o Selo incentiva os municípios do Semiárido e na Amazônia Legal a aperfeiçoarem a promoção dos direitos infanto juvenis. “Foi através desse compromisso que implantamos o Núcleo de Participação e Desenvolvimento dos Adolescentes (NUCA), por exemplo”, disse Cássia.

Jackson de Carvalho é um desses adolescentes que integram o Nuca. No Fórum, ele resumiu o que é ser protagonista juvenil: “não é se destacar dos demais, fazer várias atividades. É sim pensar em soluções que beneficiam um monte de pessoas”.

No encontro, houve ainda apresentações musicais com o Grupo Instrumental Lícia Maria Soares do Instituto Social Padre Benedito Soares e com alunos de violão do Conservatório Municipal de Música.