Home Office e jornada flexível tendem a ganhar força no Brasil em 2020

Uma pesquisa realizada pela empresa de consultoria empresarial Mercer, no final do ano passado, intitulada Tendências de Talento Global, constatou que o fator mais importante para os trabalhadores hoje em dia é ter mais autonomia para conciliar vida pessoal e trabalho. Essa foi a resposta de 54% dos entrevistados, evidenciando a tendência mundial de maior flexibilização na rotina de trabalho. A pesquisa foi realizada com mais de 7 mil pessoas em diversos países do mundo. 

Percebendo isso, várias empresas já adotam o estilo de jornada flexível, em que o trabalhador pode escolher quantas e quais horas trabalhará durante a semana. Além disso, o local de trabalho também está mudando, pois cada vez mais funcionários estão ganhando a opção de realizar as tarefas dentro da própria casa, ou onde achar melhor.

Se até há pouco tempo era quase impensável dar tamanha liberdade aos trabalhadores, hoje em dia as empresas perceberam como essa autonomia pode aumentar o engajamento dos funcionários, fazendo com que gostem mais do trabalho e, consequentemente, aumentem a produtividade.

Em grandes centros urbanos, a flexibilização do local de serviço está ainda mais diretamente ligada com o nível de produtividade. Em São Paulo, por exemplo, os trabalhadores perdem, em média, 3 horas por dia no trânsito a caminho do trabalho. Com o estilo home-office, que consiste em realizar as tarefas dentro de casa, os funcionários tem mais tempo de sono e lazer, o que melhora a qualidade de vida e também os tornam mais produtivos, trazendo benefícios tanto para eles, como para a empresa.

Como essas mudanças geraram uma nova forma de trabalho, cada vez mais os jovens talentos estão buscando este tipo de emprego. Esse movimento vem forçando empresários a adotar o estilo flexível, para conseguir atrair os melhores profissionais de cada setor e engajá-los com a empresa.

Outro fato que está fazendo com que mais empresas brasileiras virem adeptas ao home office é a reforma trabalhista, que trouxe normas regulamentadoras do teletrabalho no Brasil. Elas estão se adaptando gradualmente à essas novidades, realizando testes, oferecendo flexibilização para uma parcela dos funcionários e medindo os resultados.

O trabalho flexível, porém, tem suas dificuldades, principalmente na acessibilidade. A liberdade de poder trabalhar onde quiser exige alguns recursos materiais para que a produtividade seja satisfatória: ter um bom notebook, um celular avançado e internet móvel de qualidade são três requisitos essenciais.

Além disso, a flexibilização pode trazer alguns problemas para o trabalhador, como o isolamento social, caso decida trabalhar todos os dias em casa e, principalmente, a falta de uma rotina diária, que pode ocasionar danos à saúde mental. Há também quem enfrente dificuldades na conciliação entre trabalho e vida pessoal, gerando falta de foco e stress.