Bahia registra novo recorde de óbitos por Covid-19 em 24 horas

Nesta quarta-feira (7) foram registrados 189 óbitos por Covid-19, o maior número desde o início da pandemia em um boletim epidemiológico sobre a doença. Anteriormente este recorde havia sido no dia 31 de março, quando houve registro de 160 mortes. Apesar de os óbitos terem ocorrido em diversas datas, a confirmação e registro foram contabilizados hoje.

A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19. Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

O número total de óbitos por Covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 16.107 , representando uma letalidade de 1,95%. Dentre os óbitos, 55,31% ocorreram no sexo masculino e 44,69% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,77% corresponderam a parda, seguidos por branca com 21,65%, preta com 15,25%, amarela com 0,48%, indígena com 0,13% e não há informação em 7,72% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 66,67%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (73,82%).Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 3.712 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,5%) e 3.442 recuperados (+0,4%). Dos 825.015 casos confirmados desde o início da pandemia, 794.967 já são considerados recuperados, 13.941 encontram-se ativos e 16.107 tiveram óbito confirmado.

boletim epidemiológico contabiliza ainda 1.140.986 casos descartados e 186.552 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica em Saúde da Bahia (Divep-BA), em conjunto com as vigilâncias municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta quarta-feira. Na Bahia, 45.896 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19. Para acessar o boletim completo, clique aqui ou acesse o Business Intelligence.

Situação da regulação de Covid-19Às 15h desta quarta-feira, 112 solicitações de internação em UTI Adulto Covid-19 constavam no sistema da Central Estadual de Regulação. Outros 35 pedidos para internação em leitos clínicos adultos Covid-19 estavam no sistema. Este número é dinâmico, uma vez que transferências e novas solicitações são feitas ao longo do dia.VacinaçãoCom 1.851.842 vacinados contra o coronavírus (Covid-19), até as 15 horas desta quarta-feira, a Bahia é um dos estados do País com o maior número de imunizados.

A Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab) realiza o contato diário com as equipes de cada município a fim de aferir o quantitativo de doses aplicadas e disponibiliza as informações detalhadas no painel https://bi.saude.ba.gov.br/vacinacao/.Tem se observado volume excedente de doses nos frascos das vacinas contra a Covid-19, o que possibilita a utilização de 11 e até 12 doses em apenas um frasco, assim como acontece com outras vacinas multidoses.

O Ministério da Saúde emitiu uma nota que autoriza a utilização do volume excedente, desde que seja possível aspirar uma dose completa de 0,5 ml de um único frasco-ampola. Desta forma, poderá ser observado que alguns municípios possuem taxa de vacinação superior a 100%.

Em Vitória da Conquista:

Vitória da Conquista registrou, até esta quarta-feira (7), o total de 23.926 casos confirmados da Covid-19. Das pessoas que se infectaram, 23.141 delas já estão recuperadas e 404 ainda apresentam sintomas – 65 estão internados em Vitória da Conquista e 339 em tratamento domiciliar.

Ainda há 2.106 casos notificados por suspeita de infecção pela Covid que aguardam classificação final por investigação clínico-epidemiológico e/ou laboratorial. Outros 15.152 casos foram descartados para a doença.

Ocupação de Leitos – Neste momento, 104 pacientes estão internados em parte dos 148 leitos disponíveis (78 enfermarias e 70 leitos de UTI) na rede SUS para tratamento de pacientes confirmados ou com suspeita de infecção pelo novo Coronavírus. Além de moradores de Vitória da Conquista, estão internados residentes dos seguintes municípios: Aracatu; Barra da Estiva; Barra do Choça; Belo Campo; Bom Jesus da Serra; Brumado; Caatiba; Caculé;
Caetanos; Caetité; Caraíbas; Carinhanha; Caturama; Contendas do Sincorá; Guajeru; Guanambi; Ibipitanga: Igaporã;
Itambé; Itapetinga; Itarantim; Ituaçu; Jequié; Livramento de Nossa Senhora; Malhada; Malhada de Pedras; Mirante;
Mortugaba; Nova Canaã; Paramirim; Parantiga; Riacho de Santana; Rio do Antônio; Serra Ramalho; Tanque Novo;
Tanhaçu; Janiru-SP e Araçariguama-SP.

Clique aqui para acessar o Boletim epidemiológico completo.

Call Center –A Secretaria Municipal de Saúde disponibiliza um Call Center para tirar dúvidas da população sobre a Covid-19 e atender pessoas que apresentem sintomas suspeitos.

Telefones fixos: (77) 3429-3468/3429-3469/3429-3470
Celulares: (77) 98834-9988 / 98834-9900 / 98834-9977 / 98834-9911 / 98856-4242 / 98856-4452 / 98856-3722/ 98825-5683/ 98834-8484
Call Center Noturno: (77) 98856-3397/98856-5268
Call Center do Trabalhador de Saúde: (77) 98856-3345 / 98809-2919 / 98809-2965

Unidades de Assistência Respiratória aceleram a recuperação precoce de pacientes com Covid-19

À medida que os aprendizados com a pandemia vão surgindo, novas técnicas e estratégias vão sendo implantadas para salvar vidas. Uma delas é a implantação de Unidades de Assistência Respiratória (UARs), iniciativa pioneira no SUS na Bahia, e que já mostra resultados significativos. Nos cerca de 20 dias em que os leitos estão efetivamente funcionando, os pacientes assistidos nessas unidades obtiveram uma recuperação precoce da Covid-19, sendo transferidos em poucos dias para leitos de enfermaria clínica e não evoluíram para a necessidade de terapia intensiva (UTI) e intubação.

“A fisioterapia respiratória fez toda a diferença na minha recuperação da Covid-19. Os exercícios e os aparelhos utilizados, todos os dias, garantiram que meu corpo respondesse e se recuperasse mais rapidamente”, afirma o secretário da Saúde, Fábio Vilas-Boas. Após vencer a Covid, o secretário aplicou a vivência na criação dos leitos de assistência respiratória na Bahia. “Assim, os pacientes conseguem ter suporte não invasivo, sem necessidade de intubação e, dessa forma, nós poupamos leitos de UTI, podendo deixá-los, apenas, para os casos mais graves”, acrescentou.

Na Bahia, até o momento, leitos do tipo estão implantados no Hospital Regional Costa do Cacau (HRCC), em Ilhéus, nos recém-inaugurados Hospital Metropolitano (HM) e Riverside, ambos em Lauro de Freitas, e em algumas unidades da rede própria da Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab). Nos sete leitos de UAR em funcionamento no HRCC, dos 34 pacientes atendidos, 21 conseguiram se recuperar precocemente da Covid-19, o que representa 61% do total, e foram transferidos para a enfermaria em poucos dias para finalizar o tratamento. Atualmente, o tempo médio de permanência na UAR tem sido de quatro dias.

Já no Hospital Metropolitano, no qual 120 leitos de assistência respiratória estão funcionando, também se nota um resultado promissor na recuperação dos pacientes. Dois terços dos leitos de enfermaria do hospital integram a Unidade de Assistência Respiratória. “Esses pacientes são atendidos na fase aguda da doença e manejados de forma preventiva para que seja evitada a intubação. Usamos todos os recursos de que dispomos na Unidade Respiratória para que o paciente possa se recuperar logo e seguir para a enfermaria de clínica médica”, explica a coordenadora de fisioterapia do HM, Karina Sorto.

O Hospital Riverside, inaugurado no último final de semana, vai contar com 32 leitos do tipo quando atingir a sua plena capacidade. A programação é abrir leitos de UAR em todos os hospitais da rede estadual com gestão direta da Sesab. Para isso, está em fase de contratação uma empresa que fará o treinamento dos profissionais de fisioterapia atuantes na rede estadual de assistência à saúde.

Como funciona – A Unidade de Assistência Respiratória (UAR) é caracterizada por ser um modelo de atendimento focado em fisioterapia respiratória, contando com profissionais especializados, 24 horas por dia. São fisioterapeutas, enfermeiros, técnicos de enfermagem e psicólogos, entre outros. Nela, o paciente realiza constantemente exercícios motores e respiratórios, voltados para o fortalecimento muscular. São técnicas não invasivas e que auxiliam no bom funcionamento pulmonar e na recuperação precoce de doenças respiratórias.

A fisioterapeuta Karina Sorto esclarece que a UAR, por ser uma unidade de complexidade intermediária, oferece ao paciente vigilância maior do que em uma enfermaria de clínica médica, o que permite assistir a sua progressão para intervir o quanto antes, caso necessário. É nela em que são realizadas intervenções específicas como a ventilação não invasiva, pronação (virar o paciente de bruços) e oxigenioterapia.

Embora a fisioterapia respiratória esteja sendo amplamente empregada para evitar o agravamento e consequente intubação, ela também é aplicada quando a pessoa já está com a sua capacidade pulmonar comprometida, com sequelas. Neste caso, é feita a reabilitação pós-doença, para acelerar a recuperação, por meio de treinamento muscular com exercícios respiratórios e de mobilização. Só a Unidade de Assistência Respiratória do Hospital Metropolitano conta com 33 fisioterapeutas que se revezam, trabalhando 24 horas por dia. Treinamentos teóricos – com apresentação dos protocolos – e práticos (in loco) fazem parte da rotina dos profissionais.