Empresas Juniores agregam inovação, diversidade e desenvolvimento sustentável

Imagem: UniCatólica Quixadá

Engajar o jovem na busca por uma economia participativa, inclusiva e inovadora, agregada aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Estes são alguns dos marcos lançados pela Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior) no mês em que é celebrado o Dia Internacional da Juventude diante dos desafios educacionais, sociais, econômicos e ambientais que afetam a humanidade. A iniciativa visa conscientizar as juventudes brasileiras com a Agenda 2030 e potencializar cada um dos movimentos que fazem parte do projeto e impactar 10 milhões de jovens.

Sob o lema “Juntos unindo esforços para atingir os Objetivos e não deixar ninguém para trás”, foram realizados o Festival Conhecendo os ODSs, como forma de trazer o debate sobre as linhas traçadas pela ONU para a realidade atual e vislumbrar saídas que possam amenizar os efeitos da ação do homem no mundo, investindo em soluções limpas para o desenvolvimento econômico.

– Essa é uma agenda de todas as gerações, mas os jovens já sofrem os impactos dos danos causados à natureza e também de um sistema que dá sinais de esgotamento social e econômico. Por isso, a necessidade de trazer todas essas questões para que a juventude entenda seu papel nesta dinâmica e possa ajudar em pensar em soluções – acredita Fernanda Amorim, presidente-Executiva da Brasil Júnior (sugestão de aspas)

Por conta disso, o #AgostoJovem tem como tema Inovação Jovem para a Saúde Humana e do Planeta. Dentro desse debate, o Movimento Empresa Júnior (MEJ), por meio da Brasil Júnior (Confederação Brasileira das Empresas Juniores), vem realizando uma série de consultorias dentro do projeto Salve um Negócio, visando impactar, com a força dos jovens, diretamente no Objetivo de Desenvolvimento Sustentável da ONU 8: trabalho decente e crescimento econômico.

As ações contam com a contribuição das instâncias que representam o Movimento Empresa Júnior a nível estadual, as federações, até o momento com 259 ações confirmadas em Santa Catarina e Pernambuco.

O Salve Um Negócio é uma iniciativa que presta consultorias a pequenas e médias empresas, segmento que foi o mais impactado pela crise decorrente da pandemia da Covid-19. Em 2020, a iniciativa envolveu 400 pequenas empresas e renderam R﹩ 95 mil em investimentos diretos. A meta deste ano é beneficiar cerca de 800 empresas e gerar R$ 200 mil em aportes.

Os pequenos e médios empresários que desejarem receber o projeto gratuito, devem entrar em contato com empresas juniores do seu estado que realizem o serviço desejado. A empresa que desejar fazer doação, como forma de contribuir para com o projeto, pode utilizar o link: bit.ly/ salveumnegocio .

Linha do Tempo

O Movimento Empresa Júnior (MEJ) iniciou-se em 1967 na França, logo, foi difundido e então se criou a Confederação Nacional das Empresas Juniores em 1969.

Imagem: tmjr/movimento empresa junior

Na década de 80, consolidou-se e começou a se difundir nos EUA e Brasil. Em 1986, havia 15.000 estudantes envolvidos, 3.000 estudos realizados e um faturamento anual da ordem de 40 milhões de francos. Então, as atividades das empresas, depois de alguns anos, atingiram um crescimento de 50% ao ano, assim sendo um resultado extraordinário.

Trazidos para o Brasil, em 1988, pela Câmara de Comércio e Indústria Franco-Brasileira. No Brasil, em sete anos, surgiram 100 empresas, enquanto na França, país de origem, foram 19 anos para atingir esse patamar.

Fundada em 2007 por alunos do curso de Engenharia Mecânica da Universidade Federal da Bahia (UFBA), a TM Jr. é uma associação civil sem fins lucrativos, voltada para a realização de projetos de qualidade a baixo custo e supervisionada por professores.

Em 2017, o MEJ completou 29 anos no Brasil. Constituído com mais de 11.000 universitários espalhados, realizando mais de 3.725 projetos por ano. Números maiores que os da Europa, onde nasceu o Movimento e que conta com menos de 200 empresas juniores – números que comprovam a aceitação do MEJ no Brasil portanto.

Por Clarindo Flores. Dona Comunicação.