Câmara entrega Diploma Mulher Cidadã Loreta Valadares em Sessão Especial

Imagem Câmara entrega Diploma Mulher Cidadã Loreta Valadares em Sessão Especial
Texto e imagens: Ascom Câmara

Foi realizada na manhã desta quarta-feira, 09, na Câmara Municipal de Vitória da Conquista, a Sessão Especial em homenagem ao Dia Internacional da Mulher e entrega do Diploma Mulher Cidadã Loreta Valadares. A sessão é realizada anualmente, em cumprimento à Resolução nº 41, de 30 de agosto de 2005, com o objetivo de agraciar seis mulheres que tenham oferecido contribuições relevantes na defesa dos direitos das mulheres e questões de gênero, no município.

A sessão foi aberta pelo presidente da Casa, vereador Luis Carlos Dudé (MBD), que aproveitou a oportunidade para parabenizar todas as mulheres pela luta e bravura na luta por mais direitos. Lembrou de todas as conquistas femininas ao longo dos anos e ressaltou que ainda há muito a se fazer. Ele citou ainda o avanço do parlamento mexicano, no que diz respeito à ocupação das mulheres.

Importância das mulheres em diversos setores – A vereadora Lúcia Rocha (MDB) iniciou o pronunciamento na sessão homenageando as profissionais de saúde que lutam desde 2019 para vencer a Covid-19. “Celebramos também todas as mulheres, as mais humildes, que às vezes, sozinhas, sustentam a casa, mesmo ganhando pouco, e criam seus filhos, saem para trabalhar numa jornada interminável, mas com o coração repleto de alegria e esperança”. Cobrou mais políticas públicas voltada para as mulheres e lembrou que muito ainda tem a ser conquistado.

Pouca representatividade das mulheres – A vereadora Viviane Sampaio (PT) apontou que as mulheres ainda sofrem com déficit de representatividade nos espaços políticos. “Esse parlamento, assim como toda a estrutura política do país, tem baixa representatividade feminina nos espaços de poder”, disse a parlamentar. Ela apontou que as mulheres têm se mobilizado em defesa de seus direitos, como foi possível perceber na manhã desta terça-feira, 8, na Marcha Pela Vida das Mulheres. “As mulheres mobilizadas reafirmam seu compromisso político com a sociedade brasileira e conclamam toda a população a lutar coletivamente pela vida das mulheres”, disse Sampaio.

“Encontrem os meios da liberdade e vão tão longe quanto possam” – A advogada e empresária Dannielle Sandes Moreira agradeceu a homenagem da Câmara Municipal e aproveitou o espaço para falar da condição de mulher nas lutas sociais. Na ocasião, ela citou um poema de Loreta Valadares. “Quando eu me for (se eu me for), vão até onde eu não fui… Encontrem os meios da liberdade e vão tão longe quanto possam”, declarou.

“45% das mulheres são responsáveis familiares” – Ao iniciar a sua fala, a representante do Fórum de Mulheres de Vitória da Conquista, Lídia Rodrigues, salientou que as feministas não visam ser “inimigas da sociedade e da família”, o objetivo do trabalho desta luta é defender a família, que em sua maioria é liderada por mulheres: “45% das mulheres são responsáveis familiares”, disse. Ela falou ainda sobre a importância de se dá mais visibilidade ao Conselho Municipal de Mulheres em Vitória da Conquista e de ter locais seguros, onde as mulheres possam denunciar as violências e opressões que sofrem. Também falou sobre as redes sociais como local de voz para as denúncias e maior visibilidade feminina. “Na pandemia, muitas mulheres não puderam ir à Delegacia da Mulher (Deam) e utilizaram as redes sociais para denunciar abusos”, afirmou. Lídia ressaltou que as politicas públicas para mulheres têm sofrido forte agravo em decorrência da atual politica conservadora, representada no Governo Federal e essa situação precisa ser mudada, “precisamos de um Estado que projeta as mulheres”.

8 de Março ainda não é motivo de comemoração – Otília Soares, presidente do Conselho Municipal da Mulher, afirmou que gostaria que o Dia da Mulher fosse de comemoração, mas “os problemas são muitos”. A conselheira apontou demandas defendidas pelo Fórum de Mulheres de Vitória da Conquista, como a necessidade de funcionamento 24 horas da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (DEAM), instalação da 2ª Vara de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, implementação da Casa Abrigo para mulheres vítimas de violência, oferta de creche e escola para os filhos dessas mulheres, além de realização de campanha contra a importunação sexual.

Otília ainda cobrou estrutura para o conselho, como uma sede e servidor público para dar suporte às atividades da comissão. Ela também apontou como causa da pouca representatividade política feminina, a falta de investimentos dos partidos na formação e participação de mulheres na política.

Importância de ocupar lugares públicos – A primeira mulher a assumir a presidência da OAB-Subseção de Vitória da Conquista, Luciana Silva, lembrou que o oito de março é significativo não só para as mulheres, mas também para toda a sociedade. Ressaltou a importância da mulher ocupar espaços públicos e lembrou que isso tem acontecido cada vez mais, “porém ainda somos poucas, isso mostra que o caminho a ser percorrido ainda é grande”. Para Luciana, é “necessário democratizar a conquista desses espaços” e fez alguns questionamentos sobre ações em que as mulheres sempre são àquelas que suportam os fardos da vida.

Avanços nas políticas públicas municipais – Representando o Poder Executivo, a coordenadora Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Daiana Andrade, avaliou que a cidade tem avançado na oferta de políticas públicas, apesar de ainda ser preciso avançar muito mais. Ela apontou que após a pandemia da Covid-19 houve um aumento no número de casos de violência contra a mulher. Segundo ela, diante disso, o Governo Municipal fortaleceu as ações de defesa da mulher, estabelecendo que os serviços públicos e as atividades relacionadas ao atendimento à mulher fossem classificados como serviços essenciais, com ampliação no horário de Atendimento do Centro de Referência Albertina Vasconcelos, com a possibilidade do atendimento remoto e lançamento do número de Whatsapp do serviço, “garantindo, assim, um espaço de escuta qualificada para as demandas”. Foram ampliadas também as campanhas pelo fim da violência contra a mulher e ainda será entregue a Casa Rosa, com previsão na LDO de um orçamento de R$ 780 mil ao ano, de manutenção, além da sanção das Leis Municipais Nº 2.509, 2510 e 2539, que objetivam garantir a ampliação da defesa dos direitos da mulher.

Confira as homenageadas deste ano com o Diploma Mulher Cidadã Loreta Valadares, entregue pela Câmara para mulheres que contribuem na defesa dos direitos das mulheres e questões de gênero em Vitória da Conquista.

Cristina Donato Rocon – empreendedora e ativista pelos direitos das mulheres, em especial as vítimas de violência. De forma anônima, administrou o Isis Nina, perfil em rede social que foi espaço de denúncias de abusos e violências contra mulheres.

EuLá Jardim – a conquistense encantou o Brasil com sua atuação no The Voice Brasil. Sua carreira teve início ainda na infância e não parou. Já se apresentou em diversos lugares do país e participou de shows de artistas como Léo Magalhães, Raffael Machado e Saulo.

Keila Fabiane Souto Dompsin – mãe da dentista Ana Luíza, vítima de feminicídio. Ela foi assassinada em março de 2021, na própria casa. O acusado do crime é o PM Amauri dos Santos Araújo, por homicídio triplamente qualificado: motivo torpe, mudou a cena do crime, não chamou o socorro, nem a polícia. Keila tem se dedicado a buscar justiça pela filha.

Lays Souza Macedo – a jornalista e perita técnica da Polícia Civil tem se dedicado a divulgar informações sobre assuntos feministas em redes sociais. Desenvolveu uma cartilha informativa sobre violência de gênero doméstica e atendimentos disponíveis na cidade de Brumado. Atua no perfil @docedepimentas, que faz reflexões sobre violência de gênero e a luta feminista por equidade de gênero.

Lusdenes Batista Silva – Delegada de polícia do Estado da Bahia, exerceu o cargo em Iguaí, Brumado e Vitória da Conquista. Aqui trabalhou por oito anos no Disep, como delegada plantonista, e participou ativamente das ocorrências em flagrante envolvendo mulheres vítimas de violência doméstica e sexual. Como mulher e delegada, sempre foi uma árdua lutadora pelas políticas públicas do gênero.

Talamira Taita Rodrigues Brito – a educadora tem amplo currículo e atuação na área do ensino. Ajudou a construir a I Conferência Intermunicipal de Educação, em 2018, que reuniu 16 municípios em Vitória da Conquista. Contribuiu na consolidação do Plano Municipal de Educação e na instalação do Fórum Municipal de Educação. Atualmente, é coordenadora do GT3 dos Fóruns Municipais de Educação, que reúnem 86 municípios de cinco territórios, incluindo o Sudoeste.