fbpx

É Natal, nasceu Jesus, o Redentor!

PMVC

“… É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi (Bethléhem), o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.11).

 
“Donde és Tu?” (João 19.9).
O que celebramos no natal cristão? Jesus, o Redentor! Seu nascimento, cuja data é desconhecida, deu-se, possivelmente, entre os anos 6 a 4 antes da era Cristã. Para uma maior compreensão dos relatos evangélicos sobre o tema, conforme os Evangelhos de Mateus e Lucas, temos o seguinte quadro histórico:
 
– RELATO DE MATEUS 2.1-6:
 
“Depois que Jesus nasceu em Belém da Judéia, nos dias do rei Herodes, magos vindos do Oriente chegaram a Jerusalém e perguntaram: “Onde está o recém-nascido rei dos judeus? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”. Quando o rei Herodes ouviu isso, ficou perturbado, e com ele toda a Jerusalém. Tendo reunido todos os chefes dos sacerdotes do povo e os mestres da lei, perguntou-lhes onde deveria nascer o Cristo. E eles responderam: “Em Belém da Judéia; pois assim escreveu o profeta: ‘Mas tu, Belém, da terra de Judá, de forma alguma és a menor entre as principais cidades de Judá; pois de ti virá o líder que, como pastor, conduzirá Israel, o meu povo’”.
 
– RELATO DE LUCAS 2.8-13:
 
E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo se alistasse (Este primeiro alistamento foi feito sendo Quirino presidente da Síria). E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade. E subiu também José da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém (porque era da casa e família de Davi), A fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz. E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem. Ora, havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho. E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor. E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura”.
 
Destaquei (grifando), alguns fatos históricos importantíssimos para as considerações que faremos acerca do nascimento de JESUS, O REDENTOR. Primeiramente, o seu nascimento está vinculado às profecias messiânicas, pois até mesmo os magos do Oriente tinham conhecimento do fato, mas não sabia o local e, por isso o rei Herodes (que não era Judeu) e toda a Jerusalém ficaram perturbados com a notícia do nascimento do Filho de Deus. E, assim, “tendo reunido todos os chefes dos sacerdotes do povo e os mestres da lei, perguntou-lhes onde deveria nascer o Cristo. E eles responderam, conforme o profeta Miquéias 5.2: Em Belém da Judéia, a cidade do rei Davi, de quem o Senhor Jesus, descende segundo a carne (Mt 1.1)”.  Portanto, não apenas a profecia, o profeta e o local do nascimento do MESSIAS eram do conhecimento do povo de Deus. E, ainda, conforme Mateus, o profeta Isaías, indica que antes do Senhor nascer de uma virgem, Deus enviaria um precursor, ou seja, João, o batista (Mt 1.21-23; Is 7.14).
Consideremos os relevantes fatos históricos (depois veremos as profecias), que nos são apresentados pelos Evangelhos Canônicos:
1.                      Herodes, o Grande, reinava em Jerusalém (Mateus 2.1). Esse Herodes, fundador da famosa linhagem, governou de 37 a 04 a. C. Acredita-se que era idumeu, descendente dos edomitas, filhos de Esaú. Mateus e Lucas concordam que Jesus nasceu no reinado de Herodes e, portanto, temos aí um fato histórico extremamente relevante.
2.                      Jesus nasceu em Belém da Judéia, a cidade de Davi durante o recenseamento (conforme profecia de Miqueias 5.2; João 7.42), na ocasião em que um DECRETO DE CÉSAR AUGUSTO (o primeiro), fora ordenado para todos os territórios de Roma e, portanto, a JUDEIA estava incluída (Lucas 2.1-7). Belém era uma pequena vila nas cercanias de Jerusalém e, portanto, como os Evangelistas concordam quanto ao local do nascimento bem como as circunstâncias, temos assim outro fato histórico muito importante.
3.                      Sirênio ou Quiríno (Presidente), governava a Síria (Lucas 2.2); durante a época do Recenseamento, justamente, durante o período em que os pais de Jesus, José e Maria, se deslocam para Belém e ocorre o nascimento do seu filho.
4.                      Os Sumo Sacerdotes (Mateus 2.4), cujos nomes não são mencionados – reunidos para que informassem o local do nascimento de Jesus, conforme dados dos MAGOS -, faziam parte do colegiado Sacerdotal indicado pelo próprio Herodes ou pelos romanos;
5.                      Herodes ordenou a morte das crianças de Belém, de até dois anos de idade (Mateus 2.16-18), o que também cumpre uma profecia (Oséias 11.1; Jeremias 31.15).
Em síntese, conforme os dados dos Evangelistas Mateus e Lucas – relativos ao reinado de Herodes e o censo mencionado -, sabe-se que, JESUS nasceu entre os anos 6 ou 4 a.C, durante o reinado de César Augusto (Caio Otávio) e, Herodes, o Grande, na Judéia. A fé prescinde de tais dados, pois não depende deles para se firmar, pelo contrário, depende de Deus e de sua abundante graça em Jesus Cristo, a razão de ser do natal.
Caros amigos leitores e irmãos amados, o mais importante em todas estas informações é saber que Deus se fez homem e habitou entre nós pela graça de Deus (João 1.1;14). E, por outro lado, que Deus nos ama e deseja estar em nossas vidas e famílias. Assim, termino esta reflexão com o Evangelista Lucas: “É que na cidade de Davi, (Belém), vos nasceu hoje, o Salvador que é Cristo, o Senhor” (Lucas 2.11).
Parte II
 
É Natal. Família reunida. Ceia de Natal. Musicas belíssimas, luzes, cores e presentes. E, também, há quem não desfrutem de nada disso, pois não têm família e, portanto, nada de festa, música, luzes, cores e presentes. É um dia como outro qualquer. Um dia cinzento e triste ante a alegria que se percebe por todas as cidades. Portanto, o que realmente devemos celebrar no natal cristão? Celebramos a Jesus Cristo, Redentor e Senhor! Seu nascimento, cuja data é desconhecida, ocorreu, possivelmente, entre os anos 4 a 6 antes da era Cristã. De acordo com os relatos dos Evangelhos de Mateus e Lucas, temos o seguinte quadro histórico-messiânico-profético:
 
1.    Mateus 1.21-23 – nascimento virginal: Isaías 7.14 – Maria; (Lc 2.4;11);
2.    Mateus 2.4-6 – o local de nascimento: Miquéias 5.2 – Belém de Judá (Lc 2.4;11);
3.    Mateus 2.13-15;19-21 – fuga e retorno do Egito para a terra de Israel -, Oséias 11.1;
4.    Mateus 2.16-18 – matança das crianças por Herodes, o Grande -Jeremias 31.15;
5.    Mateus 2.22-23 – por temer a Arquelau, que reinava na Judéia em lugar de seu pai Herodes, foi habitar na cidade de Nazaré – profeta não mencionado especificamente, pois a expressão “ele será chamado nazareno” não se encontra no Antigo Testamento. Possíveis deduções: Isaías 11.1; Juízes 13.5; Jeremias 23.5; Levítico 21.19,12.
Em relação aos magos (sábios) que procuraram e, ao encontrarem A JESUS, O REDENTOR, se alegraram grandemente, ofertando e adorando-o (Mt 2.8 a 12), bem como a profecia de que “ele será chamado NAZARENO” (Mt 2.22-23), têm finalidades teológicas específicas, pois querem ensinar o amor de Deus por todos os povos. A cidade de Nazaré, onde Jesus fora criado, na “Galiléia dos Gentios” (Mt 4.15; Lc 4.16), era abominada pelos Judeus, pois quando Filipe, de Betsaida, cidade de André e Pedro, encontrou Natanael, e disse-lhe: “havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na lei, e os profetas, Jesus de Nazaré, filho de José; o mesmo perguntou: Pode vir alguma coisa boa de Nazaré?” Disse-lhe Filipe: Vem e vê!”(João 1.44 a 46). A pergunta é reveladora do nível de desprezo e rejeição a que esta cidade gentia despertava nos judeus. Entretanto, Deus a amou e para a mesma enviou a seu Filho!
O interesse dos Apóstolos é ressaltar o amor de Deus por todos os povos, especialmente pelos desprezados e marginalizados. Nazaré, cidade em que José habitava com Maria e seu filho Jesus (cf. Mt. 4.15; Lc 2.4; 39; 51; 4.16), tem um significado simbólico eterno, ou seja, Deus ama a todos, mesmo os que o rejeitam e desprezam. Na Sinagoga de Nazaré, o Senhor Jesus ensinou, pregou e foi rejeitado e quase morto pelos seus irmãos Judeus (cf. Lc 4.16-22). Este episódio antecipa os sofrimentos do Senhor bem como aponta para o que a Igreja haveria de sofrer através dos séculos. Amados que este natal seja pleno da paz e da alegria que somente os que ENCONTRAM A JESUS desfrutam. Que possamos levar o seu amor, luz e paz aos homens de boa vontade. Este é o sentido e permanente encargo do natal. Oh! Como Deus nos amou! Oh! Como nos Ama! O mundo jazia em trevas! A luz do Alto brilhou e trouxe vida e paz! Oh! Como Deus ama o mundo! Ao Redentor Jesus toda honra, glória e louvor e Adoração. Os anjos adoraram a Deus-Homem e cantaram; “Glória a Deus nas maiores alturas e paz na terra; boa vontade para com os homens” (Lucas 2.13,14).
Amigos e irmãos amados quão FELIZES são os que encontram com JESUS. Estes são os BEM AVENTURADOS (sumamente felizes) de que nos falam os Evangelistas Mateus, Marcos, Lucas e João. Você já o encontrou amigo? Ele vive em sua vida e família? É de Jesus a promessa: “VINDE A MIM E VOS DAREI VIDA ABUNDANTE!” (João 10.10 b). Que neste natal, queridos amigos, à semelhança dos anjos, dos pastores, da família de Jesus e dos Sábios, presentes diante do menino JESUS, adoremos o nosso amado redentor, nos termos do Salmista: “Vinde, pois, adoremos e prostremo-nos em reverência ante o Eterno, nosso Criador, pois Ele é nosso Deus e nós somos Seu povo. Ele é nosso Pastor e nós somos o rebanho que Ele guia neste mundo, desde que Sua voz obedeçamos. Que nossos corações e nossas mentes saibam compreender Sua exortação.” (Salmos 95.6-8 a) Feliz Natal!
“… É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi (Bethléhem), o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2.11).

 
“Donde és Tu?” (João 19.9).
O que celebramos no natal cristão? Jesus, o Redentor! Seu nascimento, cuja data é desconhecida, deu-se, possivelmente, entre os anos 6 a 4 antes da era Cristã. Para uma maior compreensão dos relatos evangélicos sobre o tema, conforme os Evangelhos de Mateus e Lucas, temos o seguinte quadro histórico:
 
– RELATO DE MATEUS 2.1-6:
 
“Depois que Jesus nasceu em Belém da Judéia, nos dias do rei Herodes, magos vindos do Oriente chegaram a Jerusalém e perguntaram: “Onde está o recém-nascido rei dos judeus? Vimos a sua estrela no Oriente e viemos adorá-lo”. Quando o rei Herodes ouviu isso, ficou perturbado, e com ele toda a Jerusalém. Tendo reunido todos os chefes dos sacerdotes do povo e os mestres da lei, perguntou-lhes onde deveria nascer o Cristo. E eles responderam: “Em Belém da Judéia; pois assim escreveu o profeta: ‘Mas tu, Belém, da terra de Judá, de forma alguma és a menor entre as principais cidades de Judá; pois de ti virá o líder que, como pastor, conduzirá Israel, o meu povo’”.
 
– RELATO DE LUCAS 2.8-13:
 
E aconteceu naqueles dias que saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo se alistasse (Este primeiro alistamento foi feito sendo Quirino presidente da Síria). E todos iam alistar-se, cada um à sua própria cidade. E subiu também José da Galiléia, da cidade de Nazaré, à Judéia, à cidade de Davi, chamada Belém (porque era da casa e família de Davi), A fim de alistar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. E aconteceu que, estando eles ali, se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz. E deu à luz a seu filho primogênito, e envolveu-o em panos, e deitou-o numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na estalagem. Ora, havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho. E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor. E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura”.
 
Destaquei (grifando), alguns fatos históricos importantíssimos para as considerações que faremos acerca do nascimento de JESUS, O REDENTOR. Primeiramente, o seu nascimento está vinculado às profecias messiânicas, pois até mesmo os magos do Oriente tinham conhecimento do fato, mas não sabia o local e, por isso o rei Herodes (que não era Judeu) e toda a Jerusalém ficaram perturbados com a notícia do nascimento do Filho de Deus. E, assim, “tendo reunido todos os chefes dos sacerdotes do povo e os mestres da lei, perguntou-lhes onde deveria nascer o Cristo. E eles responderam, conforme o profeta Miquéias 5.2: Em Belém da Judéia, a cidade do rei Davi, de quem o Senhor Jesus, descende segundo a carne (Mt 1.1)”.  Portanto, não apenas a profecia, o profeta e o local do nascimento do MESSIAS eram do conhecimento do povo de Deus. E, ainda, conforme Mateus, o profeta Isaías, indica que antes do Senhor nascer de uma virgem, Deus enviaria um precursor, ou seja, João, o batista (Mt 1.21-23; Is 7.14).
Consideremos os relevantes fatos históricos (depois veremos as profecias), que nos são apresentados pelos Evangelhos Canônicos:
1.                      Herodes, o Grande, reinava em Jerusalém (Mateus 2.1). Esse Herodes, fundador da famosa linhagem, governou de 37 a 04 a. C. Acredita-se que era idumeu, descendente dos edomitas, filhos de Esaú. Mateus e Lucas concordam que Jesus nasceu no reinado de Herodes e, portanto, temos aí um fato histórico extremamente relevante.
2.                      Jesus nasceu em Belém da Judéia, a cidade de Davi durante o recenseamento (conforme profecia de Miqueias 5.2; João 7.42), na ocasião em que um DECRETO DE CÉSAR AUGUSTO (o primeiro), fora ordenado para todos os territórios de Roma e, portanto, a JUDEIA estava incluída (Lucas 2.1-7). Belém era uma pequena vila nas cercanias de Jerusalém e, portanto, como os Evangelistas concordam quanto ao local do nascimento bem como as circunstâncias, temos assim outro fato histórico muito importante.
3.                      Sirênio ou Quiríno (Presidente), governava a Síria (Lucas 2.2); durante a época do Recenseamento, justamente, durante o período em que os pais de Jesus, José e Maria, se deslocam para Belém e ocorre o nascimento do seu filho.
4.                      Os Sumo Sacerdotes (Mateus 2.4), cujos nomes não são mencionados – reunidos para que informassem o local do nascimento de Jesus, conforme dados dos MAGOS -, faziam parte do colegiado Sacerdotal indicado pelo próprio Herodes ou pelos romanos;
5.                      Herodes ordenou a morte das crianças de Belém, de até dois anos de idade (Mateus 2.16-18), o que também cumpre uma profecia (Oséias 11.1; Jeremias 31.15).
Em síntese, conforme os dados dos Evangelistas Mateus e Lucas – relativos ao reinado de Herodes e o censo mencionado -, sabe-se que, JESUS nasceu entre os anos 6 ou 4 a.C, durante o reinado de César Augusto (Caio Otávio) e, Herodes, o Grande, na Judéia. A fé prescinde de tais dados, pois não depende deles para se firmar, pelo contrário, depende de Deus e de sua abundante graça em Jesus Cristo, a razão de ser do natal.
Caros amigos leitores e irmãos amados, o mais importante em todas estas informações é saber que Deus se fez homem e habitou entre nós pela graça de Deus (João 1.1;14). E, por outro lado, que Deus nos ama e deseja estar em nossas vidas e famílias. Assim, termino esta reflexão com o Evangelista Lucas: “É que na cidade de Davi, (Belém), vos nasceu hoje, o Salvador que é Cristo, o Senhor” (Lucas 2.11). Que Deus abençoe a toda a sua família neste natal e ano novo. Um abençoado natal!. Amém.
Pr. Antonio Sérgio de A. Costa, Th.D/Lic. em Filosofia/Bel em Direito
Igreja Batista Bethléem em Vitória da Conquista, Bahia.