fbpx

ANTP: Motoristas arriscam vidas ao desrespeitar distância segura entre veículos

PMVC

Pesquisa identificou que 70,5% dos motoristas ultrapassam os limites das vias

Pesquisa divulgada pela Associação Nacional de Transportes Públicos (ANTP) mostra que a maior parte dos motoristas brasileiros (74,1%) não respeitam a distância segura com o veículo à frente. A prática coloca em risco a vida do próprio condutor e de terceiros, pois exclui a eficácia de frenagens de emergência.

O desrespeito aos limites de velocidade é outro fator que aumenta a probabilidade de acidentes no trânsito brasileiro. A pesquisa identificou que 70,5% dos motoristas infringem a legislação vigente e ultrapassam os limites das vias.

A proposta da pesquisa foi identificar as principais falhas dos condutores brasileiros. Com o uso de um simulador de trânsito, os pesquisadores verificaram a segurança, maturidade e o comportamento dos motoristas em situações reais. O diagnóstico será encaminhado para os órgãos públicos e instituições ligadas ao transporte e à mobilidade urbana com a proposta de elaborar um plano de ações que contribua com a redução de acidentes em decorrência do mal comportamento de quem está ao volante.

Participaram dos testes 222 motoristas, com idades entre 18 e 65 anos, que vivenciaram oito situações diferentes como o respeito ao pedestre, a reação a condições climáticas, sinalização, ultrapassagem e ingestão de bebida alcoólica. No ciclo urbano, as principais falhas estão relacionadas ao respeito ao pedestre e avançar o sinal vermelho. Já nas rodovias, preocupam mais o excesso de velocidade e a ultrapassagem.

Para o superintendente da ANTP, Luiz Carlos Mantovani, a pesquisa tem como principal alvo os novos condutores. “Entendemos que vivenciar é algo muito importante. O equipamento reproduziu situações do automóvel para que o motorista sentisse na prática como agir em alguns momentos, como praticar a direção defensiva”, conclui.

Acidentes
O excesso de velocidade é uma das principais causas de graves acidentes. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgados no Manual de Segurança para Pedestres, revelam que as probabilidades de uma pessoa sobreviver a um atropelamento se tornam ligeiramente mais baixas a partir de um impacto a 50 km/h.

O estudo aponta que um aumento de 5% na velocidade média leva a um aumento de cerca de 10% nas colisões com lesões e de 20% nas colisões fatais.

O Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV) alerta que pneus gastos ou mal calibrados tem menor aderência ao solo e podem ocasionar derrapagem em uma situação de frenagem. O ideal é realizar a calibragem a cada 15 dias e de preferência com os pneus ainda frios – com o veículo parado há pelo menos uma hora ou sem que tenha rodado mais do que três quilômetros.

Os motociclistas, em asfalto plano e seco, devem usar o freio dianteiro e traseiro ao mesmo tempo. Ao usar apenas o freio traseiro a distância de frenagem pode triplicar.