fbpx

Dia Mundial do Diabetes: 14 de novembro. Casos podem aumentar em 75,8% até 2040.

PMVC

Créditos: Freepik

Tecnologia auxilia pessoas que sofreram amputação devido à doença

Diabetes pode causar feridas nas extremidades dos membros, principalmente os inferiores, o que pode resultar na necessidade de cirurgias de retirada de pés e pernas.

Pelo menos 62 milhões de pessoas no continente americano convivem com a diabetes. O número, de 2022, é da Organização Panamericana de Saúde (OPAS), mas pode ser ainda maior.

Isso porque, de acordo com a instituição, muitas pessoas não sabem que têm a doença. Até 2040, os países da região devem ter, juntos, 109 milhões de diabéticos, aumento de 75,8%.

No Brasil, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes, 13 milhões vivem com a doença, ou seja, 6,9% da população.

O alto número de casos mostra a importância com os cuidados da saúde em geral para que a doença não evolua, além do fornecimento de tratamentos e tecnologias que sejam aliadas para quem sofre as consequências do diabetes.

Segundo a médica fisiatra Andrea Thomaz Viana, o diabetes é uma doença causada pela produção insuficiente ou má absorção de insulina pelo organismo, hormônio responsável pela entrada da glicose nas células do corpo. A doença pode se desenvolver de duas modos: o tipo 1, identificado principalmente na infância e adolescência, é causado por alteração genética que provoca a produção de insulina insuficiente. No tipo 2, o organismo começa a produção insulina com menor quantidade. Nas duas formas, o excesso de glicose, se não for tratado, pode resultar em problemas para o organismo. Comportamentos e outras doenças, como tabagismo e obesidade, podem agravar a situação.

Uma das principais complicações da doença é a amputação de membros causada pelo pé diabético, uma condição em que ocorre o aparecimento de feridas, geralmente nas extremidades dos membros inferiores, pela alteração de sensibilidade nessas regiões, conforme explica a médica. “Nesses casos, percebe-se dificuldade de cicatrização nas feridas em decorrência da má oxigenação dos tecidos, o que aumenta o risco de infecções e de amputação dos membros”, afirma Andrea.

Segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV) mais da metade dos casos de amputações de membros no país feitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS) envolvem pessoas com diabetes, dentro de um universo de 282 mil cirurgias de retiradas de membros que ocorreram no Brasil entre janeiro de 2012 e maio de 2023.

Créditos: Freepik

Tecnologia como aliada para amputados

Pessoas que sofreram amputações por diabetes necessitam do retorno às suas atividade e melhoria na autoestima, devido às mudanças causadas pela cirurgia. Por isso, o desenvolvimento de próteses com tecnologia adequada para dar independência e qualidade de vida, torna-se essencial. “Passar pelo procedimento de retirada de um membro é uma mudança de vida significativa para uma pessoa. Por isso, o equipamento precisa atender a uma pessoa de maneira que possa colocá-la, da melhor forma possível, de volta a sua rotina familiar, de trabalho, esportes e lazer”, explica o diretor de academy da Ottobock na América Latina, Thomas Pfleghar. A empresa trabalha na pesquisa e desenvolvimento de tecnologias voltadas para melhorar a mobilidade de pessoas com deficiência.

A Ottobock avalia que entre 30% e 40% das pessoas atendidas pela empresa tenham passado por amputação de membros inferiores em decorrência do diabetes. A prótese utilizada por uma pessoa que passa pelo procedimento depende do tipo da amputação que ela sofre, conforme explica Pfleghar. São dois níveis de cirurgias dos membros inferiores: transtibial (quando é retirada parte da perna abaixo do joelho) ou transfemoral (para as amputações acima do do joelho).

Créditos: Freepik.

A importância do cuidado pós-amputação

Na opinião do diretor de academy da empresa, a chegada da pessoa para fazer a protetização, ou seja, utilizar o equipamento, é só o primeiro passo depois do atendimento médico e da cirurgia. “É importante que a pessoa passe por sessões de fisioterapia, terapia ocupacional e demais acompanhamentos para se adaptar ao uso da prótese. Sem o olhar sensível de uma equipe multidisciplinar, a tecnologia sozinha e o paciente, mesmo com sua determinação, não conseguem superar possíveis dificuldades”, afirma. A Ottobock, por exemplo, possui uma rede de clínicas no Brasil que realiza esse tipo de acompanhamento aos usuários.

A médica fisiatra alerta ainda para a necessidade de atenção dos pacientes diabéticos para a vigilância sobre a doença mesmo após a amputação de um membro. Um dos fatores que deve ser considerados é a estabilização do paciente. “A pessoa precisa entender a importância do controle da glicemia e como as medicações devem ser usadas para a continuidade do tratamento”, diz.

A especialista ainda aponta que a pessoa precisa fortalecer os cuidados com o membro residual (a parte que ainda resta da perna, por exemplo, após a cirurgia) e de outros membros do corpo, para que novas feridas não apareçam. “É fundamental evitar que outros eventos como esse aconteçam, pois podem resultar em novas infecções. Afinal, já que o diabetes não tem cura, a pessoa permanece com a doença”, alerta. A médica indica que os pacientes devem olhar diariamente os membros e usar calçados e palmilhas adequados (que permitam a distribuição mais uniforme das pressões e prevenção de surgimento de novas feridas).

Sobre a Ottobock 

Fundada em 1919, em Berlim, na Alemanha, a Ottobock é referência mundial na reabilitação de pessoas amputadas ou com mobilidade reduzida por sua dedicação em desenvolver tecnologia e inovação a fim de retomar a qualidade de vida dos usuários. Dentro de um vasto portifólio de produtos, a instituição investe em próteses (equipamentos utilizados por pessoas que passaram por uma amputação); órteses (quando pacientes possuem mobilidade reduzida devido a traumas e doenças ou quando estão em processo de reabilitação); e mobility (cadeiras de rodas para locomoção, com tecnologia adequada a cada necessidade). A Ottobock chegou ao Brasil em 1975 e atua no mercado da América Latina também em outros países como México, Colômbia, Equador, Peru, Uruguai, Argentina, Chile e Cuba, além de territórios da América Central. Atualmente, no Brasil, são oito clínicas, presentes em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Belo Horizonte, Recife e Salvador.

Por Rodrigo Batista – NoAR Comunicação