fbpx

Rompimento de barragem do Iguá pode interromper trafego na Br 116, Rio-Bahia

PMVC

Prefeita Sheila Lemos lidera a Força Tarefa que atende a população.

Apesar de todos os esforços das equipes de obras da Prefeitura Municipal de Vitória da Conquista durante todo o dia de hoje, abrindo escoadouros no sentido de evitar o rompimento da barragem do Iguá, ela acaba de se romper inundando toda o seu entorno e pode vir interditar a movimentada Br 116, rodovia Rio-Bahia, na altura do Distrito de José Gonçalves.

A Prefeita Sheila Lemos está à frente da Força Tarefa que cuida da segurança e orientação aos moradores e toma outras providências, depois de um dia intenso de reuniões com o Governador Rui Costa, Ministros, Senadores, Deputados, Vereadores e os secretários da administração pública municipal.

À frente da força-tarefa, formada pela Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Via Bahia, e Polícia Rodoviária Federal, está a prefeita Sheila Lemos. Também estavam presentes o secretário de Infraestrutura, Jackson Yoshiura, o secretário de Serviços Públicos, Luís Paulo, e o diretor do Deserg, Lucas Batista.

Neste sábado (25), Sheila Lemos entrou em contato com o Governo Federal, por meio do ministro da Cidadania, João Roma, e com o governador Rui Costa, que asseguraram apoiar a Prefeitura de Vitória da Conquista no enfrentamento das consequências das chuvas de alta intensidade.  A gestora também conversou com os senadores Ângelo Coronel e Jaques Wagner e solicitou apoio às articulações do Município junto aos governos estadual e federal.

A prefeita foi informada que, neste domingo (26) será montada em Vitória da Conquista uma base da Defesa Civil Nacional para atender todas as cidades da Região Sudoeste. “Será uma força-tarefa dos municípios da Região Sudoeste, do Governo do Estado e do Governo Federal para trabalharmos juntos em prol da população”.

Segundo Sheila, foram acionadas ainda instituições da sociedade civil do município com o objetivo de arrecadar alimentos e outros donativos para as famílias prejudicadas com os efeitos das intempéries. “Já entramos em contato com as lojas maçônicas, Clube do Jeep, Rotary Club, Lions Club, Conselho de Segurança, igrejas católicas, Polícia Militar, Associação das Indústrias, Clube de Bicicletas além de contar com o apoio da Polícia Militar da Bahia, Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros Militar.

A situação ainda é muito preocupante e a previsão é de nas próximas 24 horas ainda ocorra muita chuva intensa. A prefeita orienta as pessoas a deixaram os locais com risco de inundações, em especial onde há barragens com ameaça de rompimento e procurar os abrigos montados pela Prefeitura. “As pessoas que estão nas áreas mais baixas devem procurar abrigo nos locais mais altos e se houver caso de emergência, ligar para a Defesa Civil, pelo 199 ou qualquer outro setor da Prefeitura”, orientou Sheila Lemos.

Desabrigados começam a ocupar abrigos montados pela prefeitura

A Prefeitura preparou várias estruturas para receber as famílias que foram desabrigadas por causa das chuvas fortes no município. Os abrigos estão localizados nas áreas de maior incidência de alagamentos: Lagoa das Flores, Campinhos, Jardim Valéria, povoados de Itapirema, Caiçara, Choça e sede do distrito de Pradoso.

A população que precisou deixar suas casas já começa a chegar aos abrigos montados pelo Governo Municipal, onde se alimentar e passar a noite, com toda a assistência. Cerca de 100 pessoas, de 23 famílias já estavam abrigadas às 20h.

Na Lagoa das Flores, sete famílias, um total de 38 pessoas, já estão abrigadas. Nos Campinhos, duas famílias. No povoado de Itapirema, a recepção é no Centro de Vocação Tecnológica do IFBA, onde estão 12 famílias, 46 pessoas.

No Campinhos, o local preparado pela Prefeitura é a Creche Professora Celina Assis, que está apto a receber 70 pessoas. Uma equipe de acolhimento trabalha 24 horas para acolher as famílias desalojadas. Além das sete salas aula, a creche tem cozinha, vestiário, refeitório e banheiros. A equipe de acolhimento efetua o cadastro para que seja disponibilizado benefícios como o aluguel social.

Na Escola Municipal Marlene Flores, do bairro Lagoa das Flores, 9 das 11 salas disponíveis já estão ocupadas por famílias em um dos bairros mais afetados pelas chuvas.

A primeira recomendação é que as famílias que estiverem em situação de risco acionem a Defesa Civil pelo telefone 199, que deverá encaminhar para a assistência da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Semdes).