fbpx

Solenidade comemora os 50 anos do Campus da Uesc

Foto Julia Barreto

Outorgados Títulos de Doutor Honoris Causa e Professor Emérito

A comunidade acadêmica, autoridades e convidados celebraram, nesta quinta-feira (25), com emoção, os 50 anos de fundação do Campus Professor Soane Nazaré de Andrade, da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

As comemorações tiveram início com o hasteamento das bandeiras acompanhado pela Banda de Música do 2º Batalhão de Ensino, Instrução e Capacitação (Beic), seguido do descerramento de placas comemorativas.

No auditório do Centro de Arte e Cultura da Universidade, foram exibidos documentários sobre a história da Uesc, produzidos pela Assessoria de Comunicação (Ascom) e pela TV Uesc – projeto do curso de Comunicação Social.

Em seguida, foi realizada a entrega dos títulos de Professor Emérito ao diretor-geral da Fespi, Aurélio Farias de Macêdo (1985-1988), e à reitora Adélia Maria Carvalho de Melo Pinheiro (2012-2019) e de Doutor Honoris Causa.

Foto Julia Barreto

A sessão solene do Conselho Universitário também outorgou os títulos de Doutor Honoris Causa ao músico Adalmiro Leôncio da Silva (Sabará), ao fotógrafo e memorialista José Nazal Pacheco Soub e ao artista Clóvis de Figueiredo Leite (Kocó) – in memoriam, criador da Banda Lordão. 

A cerimônia contou com a participação do irmão de Kocó, José Jorge Leite, da viúva Sônia Leite e as cantoras da Banda Lordão, Cris Mel e Tina Dias. 

O reitor e presidente do Consu, Alessandro Fernandes, agradeceu aos conselheiros pela realização da Reunião solene para entrega dos títulos de Professor Emérito Doutor Honoris Causa.

Foto Julia Barreto

Ele frisou que foram descerradas uma placa alusiva ao 50 anos do Campus e outra em homenagem aos fundadores com o agradecimentos a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira Ceplac, responsável pela construção desse campus e ao saudoso agricultor Manoel Nabuco e sua família que doaram 14 hectares, desta área, ajudando, junto com todos os pioneiros, a criar o sonho de uma Universidade.

In Memorian. Foto Julia Barreto

 Agradeceu também, a cada docente, a cada técnico, a cada discente que estudou na Uesc, a cada pedreiro, a cada ajudante de obra que ajudou a construir este Campos. “Somos uma instituição plural e diversa porque temos a grandeza de reconhecer que se constrói uma universidade grande se reconhecemos a grandeza da contribuição de todos.”

Ressaltou que “hoje, na região Sul da Bahia, temos a Universidade Federal do Sul da Bahia, os Institutos Federais da Bahia e o IF-Baiano, além de uma variedade faculdades privadas, todas tendo em comum o fato de possuírem em seus quadros docente e de técnicos, profissionais formados pela nossa Uesc. São mais de 40 mil pessoas graduadas pela Uesc, mais de 2.900 médicos diplomados pelo nosso Curso de Medicina e mais de 350 doutores por nós titulados. Portanto, a Universidade Estadual de Santa Cruz, a maior invenção da sociedade grapiúna, está comemorando 50 anos de transformação da vida das pessoas, de transformação da nossa região permitindo que pessoas possam olhar para o horizonte com orgulho do passado, com orgulho do presente, com muito mais orgulho do futuro porque somos Universidade Estadual de Santa Cruz um patrimônio da sociedade baiana e o orgulho de todos nós.”

O Campus da Uesc foi inaugurado em 1974, sendo que que parte do terreno foi doada pelo agricultor Joaquim Nabuco, e o restante foi adquirido pela Ceplac (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira), com aporte financeiro também do extinto Instituto de Cacau da Bahia (ICB).  As comemorações alusivas ao transcurso dos 50 anos do Campus da Uesc prosseguem até o final do ano.

Assessoria de Comunicação//Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc)